SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.77 issue3Serum immunoglobulins in children perinatally exposed to human immunodeficiency virusNasopharyngeal colonization and antimicrobial resistance of Streptococcus pneumoniae isolated in children with acute rinofaringitis author indexsubject indexarticles search
Home Pagealphabetic serial listing  

Jornal de Pediatria

Print version ISSN 0021-7557

Abstract

PARO, Maria L. Z.  and  RODRIGUES, Joaquim C.. É possível prever o número de nebulizações e o uso de corticosteróide intravenoso em crianças com crise asmática na unidade de emergência?. J. Pediatr. (Rio J.) [online]. 2001, vol.77, n.3, pp. 219-226. ISSN 0021-7557.  http://dx.doi.org/10.1590/S0021-75572001000300013.

OBJETIVO: identificar o número de nebulizações necessárias e a demanda de corticosteróide intravenoso em crianças em crise asmática, a partir de características clínicas e funcionais observadas no momento da admissão na unidade de emergência. MÉTODOS: Foram avaliadas prospectivamente 130 crianças em crise asmática, na faixa etária de 1 a 13 anos. No momento da admissão, as crianças foram avaliadas por meio de escore clínico e medidas de saturação arterial de oxigênio (por oximetria de pulso) e de pico de fluxo expiratório. Em seguida, receberam um tratamento padronizado e foram acompanhadas em relação à necessidade de nebulizações consecutivas com b2 agonista e costicosteróide intravenoso. Através de análise de regressão buscou-se uma correlação dos parâmetros avaliados com o número de nebulizações realizadas e o uso de corticosteróide. RESULTADOS: Oitenta e oito crianças (67,7%) receberam de uma até três nebulizações, e 42 crianças (32,3%) receberam seis nebulizações. Sessenta e oito crianças (52,3%) receberam corticosteróide. Os valores iniciais de escore clínico, saturação arterial de oxigênio e pico de fluxo expiratório mostraram uma correlação significativa com o número de nebulizações realizadas e com a necessidade do uso de corticosteróide. CONCLUSÃO: Com base em nossos resultados, é possível predizer e antecipar, no momento da admissão das crianças em crise asmática na Unidade de Emergência, a necessidade do uso de corticosteróide e de um maior número de nebulizações, o que pode alterar o prognóstico e o tempo de evolução da crise.

Keywords : asma; criança; asma aguda; tratamento; corticosteróide; ß2 agonista.

        · abstract in English     · text in Portuguese     · pdf in Portuguese