SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.77 issue5Bone marrow transplantation and cord blood transplantation in childrenPrevalence of prenatal exposure to cocaine in a sample of newborns from a university teaching hospital author indexsubject indexarticles search
Home Pagealphabetic serial listing  

Jornal de Pediatria

Print version ISSN 0021-7557

Abstract

BRUNO, Francisco et al. Efeito a curto prazo da posição prona na oxigenação de crianças em ventilação mecânica. J. Pediatr. (Rio J.) [online]. 2001, vol.77, n.5, pp. 361-368. ISSN 0021-7557.  http://dx.doi.org/10.1590/S0021-75572001000500005.

OBJETIVOS: analisar o efeito a curto prazo da posição prona na oxigenação de pacientes pediátricos com hipoxemia severa e submetidos à ventilação mecânica. MATERIAL E MÉTODOS: ensaio clínico prospectivo, não randomizado, sendo cada paciente o seu próprio controle, realizado no período de julho de 1998 a julho de 1999. Incluídas todas as crianças com diagnóstico de insuficiência respiratória aguda, em ventilação mecânica, com pressão inspiratória positiva (PIP) maior ou igual a 30cm H2O e fração de oxigênio inspirada (FiO2) maior ou igual a 0,5, que apresentassem PaO2/FiO2 menor ou igual a 200. Os pacientes foram mantidos duas horas na posição prona, retornando, a seguir, à posição supina. Avaliou-se a oxigenação, através da PaO2/FiO2, na posição supina (1 hora antes da mudança de posição), com 1 hora de posição prona e 1 hora após retornar à posição supina. Considerou-se responsivo todo o paciente que apresentasse um aumento de, no mínimo, 20 na PaO2/FiO2. Os resultados foram comparados através do teste t student, Friedman, Qui-quadrado, exato de Fisher e intervalo de confiança (IC). RESULTADOS: participaram do estudo 18 crianças (10 masculinos) com idade média de 11,5 (±11,5) meses e com uma PaO2/FiO2 inicial 96,06 (±41,78). Após 1 hora em posição prona, observamos que 5/18 (27,7%) pacientes apresentaram uma melhora na PaO2/FiO2 acima de 20 (teste exato de Fisher, P=0,045). Seis pacientes apresentavam predominantemente diminuição da complacência pulmonar (4 com síndrome da angústia respiratória aguda) e 12 com aumento da resistência pulmonar (6 com bronquiolite). Não observamos diferença entre esses grupos no que se refere à idade, sexo, tempo de ventilação prévia à mudança de posição, pressão inspiratória positiva, fração de oxigênio inspirada, grau de hipoxemia e evolução. CONCLUSÃO: o uso da posição prona durante a ventilação mecânica de crianças severamente hipoxêmicas pode promover uma significativa melhora da PaO2/FiO2 a partir da 1º hora.

Keywords : pronação; oxigenação; síndrome do desconforto respiratório agudo; unidade de terapia intensiva pediátrica; criança; respiração artificial.

        · abstract in English     · text in Portuguese     · pdf in Portuguese