SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.78 issue4Anemia in infancy: etiology and prevalenceOverweight and obesity prevalence among children and adolescents from Northeast and Southeast regions of Brazil author indexsubject indexarticles search
Home Pagealphabetic serial listing  

Jornal de Pediatria

Print version ISSN 0021-7557

Abstract

URBANO, Marcia R.D.; VITALLE, Maria S.S.; JULIANO, Yara  and  AMANCIO, Olga M.S.. Ferro, cobre e zinco em adolescentes no estirão pubertário. J. Pediatr. (Rio J.) [online]. 2002, vol.78, n.4, pp. 327-334. ISSN 0021-7557.  http://dx.doi.org/10.1590/S0021-75572002000400013.

Objetivo: verificar o estado nutricional relativo ao ferro, cobre e zinco e a correlação entre índice de massa corporal, níveis séricos e dietéticos desses elementos, em adolescentes durante o estirão pubertário. Métodos: estudo descritivo, do tipo corte transversal, envolvendo uma amostra de 47 adolescentes atendidos em ambulatório de adolescência clínica, durante o período de março a dezembro de 1999, que se apresentavam no estirão pubertário, do total de 360 que freqüentaram o ambulatório no período, sendo 19 rapazes na faixa etária de 12,3 a 16 anos, e 28 moças na faixa etária de 11,1 a 13,6 anos. Variáveis analisadas: dietética (recordatório de 24 horas, freqüência e registro alimentar) para determinar a ingestão de ferro, cobre e zinco; antropométrica (peso e altura) para aferição do índice de massa corporal; bioquímica (dosagem sérica de ferro pelo kit in vitro Diagnóstica, ferritina pelo kit Immulite, cobre e zinco por espectrofotometria de absorção atômica). Utilizou-se o coeficiente de Spearman para análise estatistíca. Resultados: dos 47 adolescentes em estirão pubertário, apresentaram ingestão adequada de: ferro (95% e 36%), cobre (53% e 57%) e zinco (21% e 21%) nos sexos masculino e feminino, respectivamente. A maioria dos adolescentes era eutrófica segundo os percentis do IMC. Bioquimicamente, os rapazes apresentaram valores normais para ferro e zinco em toda a amostra; para cobre em 95% e para ferritina em 84%. As moças também apresentaram valores normais de ferro e zinco; para cobre em 96,4% e para ferritina em 96%. Não houve correlação estatisticamente significante entre IMC e concentração sérica de ferro, ferritina, cobre e zinco, e entre concentração sérica e ingestão dietética dos minerais estudados, nem tampouco para a relação ferro sérico e ferritina. Conclusões: não se sabe, até o momento, se os níveis séricos de zinco e cobre flutuam durante o crescimento, ou se cada indivíduo tem um nível estável destes minerais durante o estirão. Os níveis séricos normais de ferro, cobre e zinco na maioria dos adolescentes avaliados podem estar refletindo a habilidade do organismo em fazer ajustes homeostáticos.

Keywords : ferro; cobre; zinco; adolescente; estirão pubertário.

        · abstract in English     · text in Portuguese     · pdf in Portuguese