SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.78 issue6Clinical and nutritional aspects of Gaucher disease: prospective study of 13 children at a single centerReport of a Brazilian patient with Wolfram syndrome author indexsubject indexarticles search
Home Pagealphabetic serial listing  

Jornal de Pediatria

Print version ISSN 0021-7557

Abstract

ROBERTO, Adriana Madureira; TERRERI, Maria Teresa R.A.; SZEJNFELD, Vera  and  HILARIO, Maria Odete E.. Densidade mineral óssea em crianças: associação com dor músculo-esquelética e/ou hipermobilidade articular. J. Pediatr. (Rio J.) [online]. 2002, vol.78, n.6, pp. 523-528. ISSN 0021-7557.  http://dx.doi.org/10.1590/S0021-75572002000600014.

Introdução: a hipermobilidade articular pode estar associada à dor músculo-esquelética. A relação da hipermobilidade com a redução da densidade mineral óssea ainda é desconhecida. Existem relatos de osteoporose em associação com doenças genéticas que cursam com hipermobilidade articular. O nosso objetivo foi detectar a possível associação entre hipermobilidade articular e alterações na densidade mineral óssea (DMO) em crianças com e sem dor músculo-esquelética. Casuística e métodos: foram avaliadas 93 crianças, com idade entre 5 e 10 anos, quanto à presença de hipermobilidade articular e quanto à presença de dor músculo-esquelética, através de questionário dirigido aos pais. Todas as crianças realizaram densitometria óssea de coluna lombar ao nível das vértebras L2-L4. Resultados: as crianças foram distribuídas de acordo com a presença ou não de hipermobilidade articular associada ou não à dor músculo-esquelética: 29 (31,2%) com hipermobilidade e com dor músculo-esquelética, 20 (21,5%) com hipermobilidade e sem dor, 22 (23,6%) sem hipermobilidade e com dor e 22 (23,6%) sem hipermobilidade e sem dor (grupo controle). Vinte e quatro (25,8%) crianças apresentaram perda de DMO maior que 10% com relação à DMO adequada para a idade e sexo. A DMO mostrou-se significantemente menor em relação ao grupo controle nos grupos: com hipermobilidade (independente da presença de dor), com dor (independente da presença de hipermobilidade), com hipermobilidade e sem dor e sem hipermobilidade e com dor. Conclusão: a DMO pode estar diminuída em crianças com hipermobilidade (independente da presença de dor músculo-esquelética) e em crianças com dor (independente da presença de hipermobilidade) em relação aos controles.

Keywords : densidade mineral óssea; hipermobilidade articular; dor músculo-esquelética.

        · abstract in English     · text in Portuguese     · pdf in Portuguese