SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.79 issue2Infantile colic incidence and associated risk factors: a cohort studyNeural tube defects and associated factors among liveborn and stillborn infants author indexsubject indexarticles search
Home Pagealphabetic serial listing  

Jornal de Pediatria

Print version ISSN 0021-7557

Abstract

UCHOA, Natacha T.; PROCIANOY, Renato S.; LAVINSKY, Luiz  and  SLEIFER, Pricila. Prevalência de perda auditiva em recém-nascidos de muito baixo peso. J. Pediatr. (Rio J.) [online]. 2003, vol.79, n.2, pp. 123-128. ISSN 0021-7557.  http://dx.doi.org/10.1590/S0021-75572003000200006.

OBJETIVOS: avaliar a prevalência de alterações auditivas em recém-nascidos de muito baixo peso, na unidade de tratamento intensivo neonatal do Hospital de Clínicas de Porto Alegre, e estudar as variáveis que possam estar relacionadas com as alterações da acuidade auditiva. MÉTODOS: foi realizado um estudo transversal que incluiu todos os recém-nascidos de muito baixo peso admitidos na unidade de tratamento intensivo neonatal do Hospital de Clínicas de Porto Alegre, no período de 1º de setembro de 2000 a 31 de janeiro de 2002. Todos os pacientes foram submetidos ao exame de otoemissão acústica evocada por produto de distorção, no momento da alta hospitalar. O exame foi repetido em 30 dias, quando havia alteração no primeiro exame. Quando o paciente apresentava o exame de otoemissão acústica alterada em duas ocasiões, era realizada a audiometria de tronco cerebral, considerada alterada a partir de 35 dB NA. RESULTADOS: foram estudados 96 recém-nascidos. Seis tiveram tanto o exame de otoemissão acústica quanto a audiometria de tronco cerebral alterados. A média da idade gestacional foi de 31,5 ± 2,6 semanas, o peso de nascimento variou de 640 a 1.500g, e 57,3% dos pacientes eram do sexo feminino. A idade gestacional e o índice de Apgar no 5º minuto foram inferiores no grupo otoemissão acústica e audiometria de tronco cerebral alterados em relação aos demais grupos, atingindo significância limítrofe. CONCLUSÕES: a prevalência de perda auditiva nos recém-nascidos de muito baixo peso da unidade de tratamento intensivo neonatal do Hospital de Clínicas de Porto Alegre foi de 6,3%, tendo sido observadas associações de significância limítrofe com idade gestacional e índice de Apgar no 5º minuto.

Keywords : recém-nascido de muito baixo peso; otoemissão acústica evocada por produto de distorção; audiometria de tronco cerebral.

        · abstract in English     · text in Portuguese     · pdf in Portuguese