SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.79 issue5Prescription of drugs not appropriate for children in a pediatric intensive care unitClinical and epidemiological analysis of bone marrow transplantation in a pediatric oncology unit author indexsubject indexarticles search
Home Pagealphabetic serial listing  

Jornal de Pediatria

Print version ISSN 0021-7557

Abstract

VILARINHO, Liana Consuelo Santana; MENDES, Carlos Maurício Cardeal  and  SOUZA, Leda Solano de Freitas. Inalador dosimetrado com espaçador artesanal versus nebulizador no tratamento da crise de sibilância na criança. J. Pediatr. (Rio J.) [online]. 2003, vol.79, n.5, pp. 403-412. ISSN 0021-7557.  http://dx.doi.org/10.1590/S0021-75572003000500007.

OBJETIVO: Realizou-se um ensaio clínico objetivando comparar duas modalidades de administração de salbutamol na crise de sibilância em crianças - através de nebulizador de jato e através de inalador dosimetrado acoplado a um espaçador artesanal. MATERIAL E MÉTODOS: Foi estudada uma amostra de conveniência de crianças em crise moderada de sibilância, alocadas aleatoriamente em dois grupos de tratamento, de acordo com o dispositivo inalatório utilizado para a administração de salbutamol (nebulizador - grupo NEB, ou inalador dosimetrado com espaçador - grupo IDE). Os parâmetros utilizados para comparação entre os grupos foram agrupados em tabela de pontos e consistiram em sinais clínicos habitualmente usados na avaliação da gravidade da crise asmática (nível de consciência, coloração da pele, intensidade da dispnéia, intensidade da tiragem, tempo expiratório, entrada de ar e sibilância) e a saturação transcutânea de oxigênio, obtidos antes do tratamento e 15 minutos após cada administração do salbutamol. Como dados adicionais, mediram-se os tempos de preparo e de uso das medicações, computaram-se os custos envolvidos nas duas formas de tratamento, e interrogaram-se os acompanhantes sobre o grau de satisfação em relação aos tratamentos. Cada criança usou salbutamol em doses repetidas a cada 20 minutos, interrompendo-se a administração quando a crise passava de moderada a leve. Quando a crise persistia moderada, após a segunda dose de salbutamol, acrescentava-se corticóide oral. A participação das crianças era concluída quando elas passavam à crise leve, ou após a terceira dose de salbutamol. A dose de salbutamol usada no grupo IDE foi 1/3 da dose usada no grupo NEB. RESULTADOS: Participaram do estudo 54 crianças com idades que variaram de 22 dias a 11,7 anos. Cada grupo abrangeu 27 crianças. Os grupos não diferiram demograficamente e em relação à pontuação clínica e aos valores de oximetria. A comparação dos parâmetros clínicos e de saturação de oxigênio, entre os grupos, não mostrou diferença significativa após as doses de salbutamol, havendo equivalência clínica entre doses diferentes (três vezes menor no grupo IDE, em relação ao grupo NEB); os tempos de preparo e administração da medicação e o custo do tratamento foram significativamente menores no grupo IDE. O grau de satisfação das famílias foi semelhante nos dois grupos. CONCLUSÃO: O inalador dosimetrado com espaçador artesanal pode ser utilizado na admini stração de salbutamol a crianças em crise de sibilância, com algumas vantagens em relação ao nebulizador.

Keywords : Espaçador artesanal; inalador dosimetrado; crise de sibilância; criança.

        · abstract in English     · text in Portuguese     · pdf in Portuguese