SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.79 issue6Osteoporosis in childhood and adolescenceInterobserver agreement in the radiological diagnosis of lower respiratory tract infections in children author indexsubject indexarticles search
Home Pagealphabetic serial listing  

Jornal de Pediatria

Print version ISSN 0021-7557

Abstract

VIANA, Marcos B.; CUNHA, Keyla C. C. M. S.; RAMOS, Gilberto  and  MURAO, Mitiko. Leucemia mielóide aguda na criança: experiência de 15 anos em uma única instituição. J. Pediatr. (Rio J.) [online]. 2003, vol.79, n.6, pp. 489-496. ISSN 0021-7557.  http://dx.doi.org/10.2223/JPED.1108.

OBJETIVO: Verificar a sobrevida de crianças com leucemia mielóide aguda antes e após a adoção de quimioterapia baseada no protocolo Berlim-Frankfurt-Munique-83. Analisar a influência prognóstica dos fatores idade, gênero, estado nutricional, leucometria inicial e introdução da droga etoposida na fase de indução da remissão. MÉTODOS: Estudo prospectivo/retrospectivo com 83 crianças portadoras de leucemia mielóide aguda, diagnosticadas no Hospital das Clínicas da UFMG entre 1986 e 2000. Até 1990, 15 crianças foram tratadas com dois a três ciclos de citarabina e daunorrubicina, seguidos de esquemas variados de consolidação/manutenção; de janeiro de 1991 a novembro de 1992, 15 pacientes em estudo piloto utilizaram etoposida na fase de indução do protocolo alemão; de dezembro de 1992 a junho de 1999, a etoposida foi utilizada aleatoriamente. RESULTADOS: O tempo mediano de seguimento foi de cinco anos. As taxas de remissão iniciais foram de 40% e 66%, antes e após a adoção do protocolo alemão (p = 0,11). O óbito durante a indução, causado por infecções e/ou hemorragia, foi a principal causa para não se obter a remissão. As probabilidades estimadas de sobrevida e de remissão clínica completa aos cinco anos foram de 31%±5,4% e 49,7%±7,4%, respectivamente. Recidivas ocorreram em 22 casos, todas medulares. Crianças abaixo de seis anos de idade tiveram prognóstico significativamente pior. Gênero, leucometria inicial e estado nutricional não influenciaram o prognóstico. Crianças que aleatoriamente utilizaram a etoposida tiveram a duração da remissão menor do que aquelas que não a usaram. CONCLUSÕES: A utilização de terapia baseada no protocolo alemão melhorou o prognóstico. A administração da etoposida foi desfavorável, não se encontrando explicação plausível para tal observação.

Keywords : Leucemia mielóide aguda; etoposida; criança.

        · abstract in English     · text in English | Portuguese     · pdf in English | Portuguese