SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.80 issue2Growth of exclusively breastfed infants in the first 6 months of life author indexsubject indexarticles search
Home Pagealphabetic serial listing  

Jornal de Pediatria

Print version ISSN 0021-7557

Abstract

BRICKS, Lucia F.. Vacina BCG: via percutânea ou intradérmica?. J. Pediatr. (Rio J.) [online]. 2004, vol.80, n.2, pp. 93-98. ISSN 0021-7557.  http://dx.doi.org/10.1590/S0021-75572004000200004.

OBJETIVO: As variações na eficácia da vacina BCG têm sido atribuídas a diversos fatores do hospedeiro, ambiente, cepas vacinais, dose e métodos de administração da vacina. O objetivo deste estudo é analisar os métodos intradérmico e percutâneo no uso da vacina BCG. FONTES DOS DADOS: Foi realizada uma pesquisa bibliográfica referente ao período de 1987 a 2002 no MEDLINE e Lilacs (OPS/Bireme), através das palavras-chave "vacina BCG/administração", "eficácia", "eventos adversos", "tuberculose/prevenção" e "eficácia". Alguns artigos publicados antes de 1987 foram incluídos devido à sua relevância para a discussão do tema. SÍNTESE DOS DADOS: Não existem estudos clínicos que permitam comparar a efetividade das vacinas BCG intradérmica e BCG percutânea. A BCG percutânea é menos reatogênica do que a BCG intradérmica, porém estimula de forma menos eficiente a produção de interferon-gama pelos linfócitos Th1, considerada como o melhor marcador da resposta imune protetora contra tubérculos. CONCLUSÕES: Testes imunológicos in vivo e in vitro demonstraram que a via intradérmica é mais eficiente para estimular a resposta imune. O método intradérmico deve ser recomendado para a administração da vacina BCG.

Keywords : Vacina BCG [administração]; eficácia; eventos adversos; tuberculose [prevenção e eficácia].

        · abstract in English     · text in English | Portuguese     · pdf in English | Portuguese