SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.80 issue5Asthma in schoolchildren from Recife, Brazil. Prevalence comparison: 1994-95 and 2002The role of sample collection timing on interleukin-6 levels in early-onset neonatal sepsis author indexsubject indexarticles search
Home Pagealphabetic serial listing  

Jornal de Pediatria

Print version ISSN 0021-7557

Abstract

LIMA, Marcela Raquel de Oliveira; FREIRE, Ana Lúcia de Gusmão; ANDRADE, Lívia Barboza de  and  SANTOS, Leopoldino Gomes. Comparação dos níveis de pressão positiva contínua nas vias aéreas através de dois sistemas. J. Pediatr. (Rio J.) [online]. 2004, vol.80, n.5, pp. 401-406. ISSN 0021-7557.  http://dx.doi.org/10.2223/JPED.1225.

OBJETIVO: Comparar a geração de pressão positiva contínua nas vias aéreas através de um sistema artesanal (selo d'água) e um sistema integrado a um ventilador mecânico (Inter 3®). METODOLOGIA: Foi realizado um estudo de experiências controladas através de simulações em laboratório, no qual foram comparados dois sistemas de geração de pressão positiva nas vias aéreas, um deles produzido de forma artesanal (selo d'água), e outro oferecido por um ventilador mecânico neonatal Inter 3® (Intermed - São Paulo). Foram excluídos os registros onde se constatava descalibração do ventilador mecânico ou variação no fluxo de gases da rede (oscilação da esfera do fluxômetro). Os registros foram avaliados quanto à capacidade de produzir as pressões desejadas (3, 5 e 6 cmH2O) quando submetidos a três valores de fluxo (8, 10 e 12 l/min). Para isso, foram aplicados o teste t de Student para uma amostra pareada e o teste não-paramétrico de Mann-Whitney para amostras independentes. RESULTADOS: Verificamos que os sistemas se comportam de maneira diferente para as mesmas condições de fluxo e pressão positiva expiratória final. O comportamento da pressão média na pressão positiva contínua nas vias aéreas (ventilador mecânico) com 3 cmH2O e fluxos de 8, 10 e 12 l/min foi, respectivamente, 2,26±0,41, 2,22±0,37 e 2,04±0,41; com pressão positiva expiratória de 5 cmH2O, encontramos 3,96±0,41, 3,87±0,43 e 3,75±0,52; e com pressão positiva expiratória de 6 cmH2O, os valores registrados foram 4,94±0,40, 4,85±0,41 e 4,72±0,37. Já o comportamento da pressão média na pressão positiva contínua nas vias aéreas (selo d'água) com 3 cmH2O e fluxos de 8, 10 e 12 l/min foi, respectivamente, 4,24±0,24, 4,46±0,26 e 4,72±0,37; com 5 cmH2O, os valores foram 5,97±0,17, 6,28±0,18 e 6,47±0,31; e com 6 cmH2O, registramos 6,85±0,20, 7,17±0,29 e 7,53±0,31. Todos os registros realizados apresentaram significância estatística (p = 0,000). CONCLUSÃO: Através dos nossos registros, foi possível observar que o sistema pressão positiva contínua nas vias aéreas no Inter 3® comportou-se de forma mais estável e linear do que a pressão positiva contínua nas vias aéreas no selo d'água, uma vez que esta apresentou grandes variações pressóricas.

Keywords : Pressão positiva contínua nas vias aéreas; ventilação mecânica; prematuridade; neonatologia.

        · abstract in English     · text in English | Portuguese     · pdf in English | Portuguese