SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.80 issue6Availability of pediatric and neonatal intensive care units in the city of São PauloIndividual outpatient care versus group education programs: which leads to greater change in dietary and physical activity habits for obese children? author indexsubject indexarticles search
Home Pagealphabetic serial listing  

Jornal de Pediatria

Print version ISSN 0021-7557

Abstract

SILVA, Carla C.; GOLDBERG, Tamara B. L.; TEIXEIRA, Altamir S.  and  DALMAS, José C.. Mineralização óssea em adolescentes do sexo masculino: anos críticos para a aquisição da massa óssea. J. Pediatr. (Rio J.) [online]. 2004, vol.80, n.6, pp. 461-467. ISSN 0021-7557.  http://dx.doi.org/10.1590/S0021-75572004000800007.

OBJETIVO: Verificar o comportamento do conteúdo mineral ósseo e da densidade mineral óssea em adolescentes do sexo masculino em função da faixa etária e do nível maturacional dos caracteres sexuais secundários. MÉTODOS: 47 adolescentes saudáveis na faixa etária de 10 a 19 anos foram avaliados quanto a ingestão de cálcio, peso, estatura, índice de massa corporal, estágio puberal, densidade mineral óssea e conteúdo mineral ósseo na coluna e no fêmur proximal. A massa óssea foi mensurada através de densitometria óssea. A ingestão de cálcio foi calculada através de registro dietético de 3 dias. O índice de massa corporal foi calculado pelo Índice de Quetelet, e o estágio puberal foi definido segundo os critérios de Tanner. Foi utilizada estatística descritiva, média e desvio padrão, análise de variância para comparação entre os grupos etários e teste de Tukey para localizar as diferenças significativas. RESULTADOS: A ingestão de cálcio não alcançou o valor mínimo de 800 mg em várias faixas etárias estudadas. A densidade mineral óssea e o conteúdo mineral ósseo demonstraram incrementos com o avançar da idade, indicando diferenças significativas a partir dos 14 anos, bem como quando os adolescentes atingiam os estágios de maturação sexual G4. Os parâmetros de mineralização revelaram aumento pronunciado quando os adolescentes atingiam G3, porém sem significado estatístico. CONCLUSÃO: Os resultados apontam um aumento importante na mineralização óssea durante a adolescência. A evidência de aumento na mineralização dos adolescentes foi percebida em níveis maturacionais superiores a G3. Os anos críticos para a aquisição da massa óssea neste estudo evidenciaram-se a partir dos 14-15 anos de idade.

Keywords : Adolescência; eventos pubertários; caracteres sexuais secundários; massa óssea; densidade mineral óssea.

        · abstract in English     · text in English | Portuguese     · pdf in English | Portuguese