SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.83 issue2Brain death: medical management in seven Brazilian pediatric intensive care unitsRisk factors for anemia in infants assisted by public health services: the importance of feeding practices and iron supplementation author indexsubject indexarticles search
Home Pagealphabetic serial listing  

Jornal de Pediatria

Print version ISSN 0021-7557

Abstract

FERNANDES, Taciana A. P.; CORRENTE, José Eduardo  and  MAGALHAES, Claudia S.. Seguimento do estado de remissão de crianças com artrite idiopática juvenil. J. Pediatr. (Rio J.) [online]. 2007, vol.83, n.2, pp. 141-148. ISSN 0021-7557.  http://dx.doi.org/10.1590/S0021-75572007000200008.

OBJETIVO: Caracterizar a atividade inflamatória articular e sistêmica na artrite idiopática juvenil (AIJ), determinando o estado de remissão com e sem uso de medicação. MÉTODOS: Um total de 165 casos de AIJ, acompanhados em média por 3,6 anos, foram revisados para caracterização de episódios de inatividade, remissão clínica com e sem medicação. Os dados obtidos foram analisados por meio de estatística descritiva, análise de sobrevida, comparação das curvas de Kaplan-Meier, teste de log rank e análise de regressão logística binária para determinação de fatores preditivos para a remissão ou atividade persistente. RESULTADOS: Dos casos revisados, 108 preencheram os critérios de inclusão: 57 pacientes (52,7%) apresentaram um total de 71 episódios de inatividade, com 2,9 anos em média para cada episódio; 36 episódios (50,7%) de inatividade resultaram em remissão clínica sem medicação, sendo 35% do subtipo oligoarticular persistente. A probabilidade de remissão clínica com medicação em 2 anos foi de 81, 82, 97 e 83% para casos de AIJ oligoarticular persistente, oligoarticular estendida, poliarticular e sistêmica, respectivamente. A probabilidade de remissão clínica sem medicação em 5 anos após o início da remissão foi de 40 e 67% para pacientes com AIJ oligoarticular persistente e sistêmica, respectivamente. Houve associação significante da atividade persistente com o uso combinado de medicações para artrite. A idade de início da AIJ foi o único fator preditivo para remissão clínica (p = 0,002). CONCLUSÃO: Nesta coorte, a probabilidade da AIJ evoluir para remissão clínica foi maior nos subtipos oligoarticular persistente e sistêmico, comparados ao curso poliarticular.

Keywords : Artrite idiopática juvenil; remissão clínica; remissão clínica com medicação; crianças; adolescentes.

        · abstract in English     · text in English | Portuguese     · pdf in English | Portuguese