SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.83 issue5An evident view of evidence-based pratice in perinatal medicine: absence of evidence is not evidence of absenceSurveillance of eight respiratory viruses in clinical samples of pediatric patients in Southeast Brazil author indexsubject indexarticles search
Home Pagealphabetic serial listing  

Jornal de Pediatria

Print version ISSN 0021-7557

Abstract

LANZIERI, Tatiana Miranda; PINTO, Diana  and  PREVOTS, D. Rebecca. Impacto da vacinação contra rubéola na ocorrência da síndrome da rubéola congênita. J. Pediatr. (Rio J.) [online]. 2007, vol.83, n.5, pp. 415-421. ISSN 0021-7557.  http://dx.doi.org/10.1590/S0021-75572007000600004.

OBJETIVO: A vacinação rotineira contra a rubéola foi implementada na Paraíba, nordeste brasileiro, através de uma campanha de catch-up direcionada a crianças com idades entre 1 e 11 anos em 1998. Uma campanha entre as mulheres em idade reprodutiva foi realizada em 2001. Descrevemos a epidemiologia da rubéola e da síndrome da rubéola congênita (SRC) no estado da Paraíba entre 1999 e 2005. MÉTODOS: Foram analisados os dados de vigilância da rubéola e da SRC entre 1999 e 2005. Os casos suspeitos de rubéola foram confirmados por exames laboratoriais, vínculo epidemiológico ou por critério clínico. Foram utilizadas as definições internacionais padrão de SRC. RESULTADOS: Dos 5.924 casos suspeitos de rubéola entre 1999 e 2005, 1.266 (21%) foram confirmados, 766 (61%) deles através dos exames laboratoriais. Durante uma epidemia de rubéola em 2000 (18,8/100.000), a incidência entre os indivíduos com idades entre 14 e 19 anos (42/100.000) quadruplicou em relação a crianças com idades entre 1 e 13 anos (intervalo de confiança de 95% = 3,2-5,1). A incidência geral da rubéola foi de 0,9/100.000 em 2005. Dos 177 casos suspeitos de SRC entre 1999 e 2005, 167 (94%) foram testados para a presença de IgM. Dos 14 (8%) casos de SRC confirmados laboratorialmente, 12 (86%) haviam nascido em 2001, com uma incidência de 0,2/100.000 crianças menores de 1 ano nesse ano. CONCLUSÕES: A campanha de vacinação contra a rubéola em 1998 não foi suficiente para prevenir um surto entre adultos jovens em 2000, com uma alta incidência de SRC em 2001. Entre 2002 e 2005, as incidências de rubéola e de SRC diminuíram; entretanto, a alta cobertura da vacina e a vigilância de alta qualidade são importantes para que se atinja a erradicação da SRC até 2010.

Keywords : Rubéola; surtos; síndrome da rubéola congênita; vacinação; Brasil.

        · abstract in English     · text in English | Portuguese     · pdf in English | Portuguese