SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.83 issue5Breastfeeding in the treatment of children with phenylketonuriaThe performance of parents of children receiving cow's milk free diets at indentification of commercial food products with and without cows's milk author indexsubject indexarticles search
Home Pagealphabetic serial listing  

Jornal de Pediatria

Print version ISSN 0021-7557

Abstract

PEREIRA, Francis S. V. T.; BUCARETCHI, Fábio; STEPHAN, Celso  and  CORDEIRO, Ricardo. Automedicação em crianças e adolescentes. J. Pediatr. (Rio J.) [online]. 2007, vol.83, n.5, pp. 453-458. ISSN 0021-7557.  http://dx.doi.org/10.2223/JPED.1703.

OBJETIVO: Determinar a prevalência da automedicação em crianças e adolescentes dos municípios de Limeira e Piracicaba (SP), correlacionando-a a indicadores sociodemográficos e utilização de serviços de saúde (pública ou privada). MÉTODOS: Estudo descritivo tipo inquérito populacional domiciliar de uma amostra aleatória simples de ambos os municípios, constituída de 772 moradores procedentes de 85 setores censitários selecionados por meio de amostragem por conglomerado. Critérios de inclusão: idade < 18 anos; entrevista obrigatória com um dos responsáveis legais; ter consumido pelo menos um medicamento nos 15 dias prévios à data da entrevista. Segundo a orientação de uso de medicamentos, os participantes foram divididos em dois grupos de estudo: automedicação (orientação leiga) e prescrição médica. Foram realizados testes de associação linear, análise descritiva das variáveis e regressão logística múltipla. RESULTADOS: A prevalência da automedicação foi de 56,6%. Os principais responsáveis e indutores da automedicação foram as mães (51%) e funcionários de farmácia (20,1%). Os principais grupos de medicamentos administrados na automedicação foram: analgésicos/antipiréticos e antiinflamatórios não-hormonais (52,9%); medicações de ação nos tratos respiratório (15,4%) e gastrointestinal (9,6%); e antibióticos sistêmicos (8,6%). As situações que mais motivaram a automedicação foram afecções respiratórias (17,2%), febre (15%) e cefaléia (14%). Indivíduos na faixa etária de 7-18 anos (razão de chances = 2,81) e usuários de serviços públicos de saúde (razão de chances = 1,52) apresentaram risco aumentado de automedicação. CONCLUSÕES: A prevalência da automedicação em crianças e adolescentes foi alta, reforçando a necessidade de intervenção das autoridades de saúde na prevenção desses agravos.

Keywords : Crianças; adolescentes; medicamentos; automedicação; farmacoepidemiologia.

        · abstract in English     · text in English | Portuguese     · pdf in English | Portuguese