SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.84 issue1Validity and reliability of a self-efficacy expectancy scale for adherence to antiretroviral therapy for parents and carers of children and adolescents with HIV/AIDSEvaluation of motor performance of preterm newborns during the first months of life using the Alberta Infant Motor Scale (AIMS) author indexsubject indexarticles search
Home Pagealphabetic serial listing  

Jornal de Pediatria

Print version ISSN 0021-7557

Abstract

MOREIRA, Sérgio R. et al. Predição da resistência à insulina em crianças: indicadores antropométricos e metabólicos. J. Pediatr. (Rio J.) [online]. 2008, vol.84, n.1, pp. 47-52. ISSN 0021-7557.  http://dx.doi.org/10.1590/S0021-75572008000100009.

OBJETIVO: Predizer a resistência à insulina em crianças a partir de indicadores antropométricos e metabólicos por análise de sensibilidade e especificidade dos pontos de corte. MÉTODOS: Estudo transversal foi realizado em 109 crianças de 7 a 11 anos, sendo 55 obesas, 23 sobrepesadas e 31 eutróficas, classificadas pelo índice de massa corporal (IMC) para idade. Foram medidos IMC, circunferências da cintura e quadril, razão circunferência da cintura/circunferência do quadril, índice de conicidade e percentual de gordura (absortometria de raio X de dupla energia). Coleta sangüínea em jejum foi realizada para mensuração da trigliceridemia, glicemia e insulinemia. A resistência à insulina foi avaliada pelo método homeostase glicêmica, considerando-se o percentil 90 como ponto de corte. Na identificação dos preditores de homeostase glicêmica, foi adotada a análise das curvas receiver operating characteristic com intervalo de confiança de 95%, calculando-se posteriormente a sensibilidade e especificidade. RESULTADOS: Os indicadores com poder de predição da resistência à insulina analisando a área sob a curva receiver operating characteristic (intervalo de confiança), com respectivos pontos de corte, foram, nesta ordem: insulinemia = 0,99 (0,99-1,00), 18,7 µU×mL-1; percentual de gordura = 0,88 (0,81-0,95), 41,3%; IMC = 0,90 (0,83-0,97), 23,69 kg×m2-¹; circunferência da cintura = 0,88 (0,79-0,96), 78,0 cm; glicemia = 0,71 (0,54-0,88), 88,0 mg×dL-1; trigliceridemia = 0,78 (0,66-0,90), 116,0 mg×dL-1 e índice de conicidade = 0,69 (0,50-0,87), 1,23 para amostra total; e insulinemia = 0,99 (0,98-1,00), 19,54 µU×mL-1; percentual de gordura = 0,76 (0,64-0,89), 42,2%; IMC = 0,78 (0,64-0,92), 24,53 kg×m2-¹; circunferência da cintura = 0,77 (0,61-0,92), 79,0 cm e trigliceridemia = 0,72 (0,56-0,87), 127,0 mg×dL-1 para os obesos. CONCLUSÕES: Indicadores antropométricos e metabólicos apresentaram bom poder de predição da resistência à insulina em crianças entre 7 e 11 anos, utilizando-se pontos de corte com melhor equilíbrio entre sensibilidade e especificidade da técnica preditora.

Keywords : Predição; resistência à insulina; pontos de corte; crianças.

        · abstract in English     · text in English | Portuguese     · pdf in English | Portuguese