SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.84 issue5Chest diameter ratios for detecting static hyperinflation in children using photogrammetryEffects of non-nutritive sucking and oral stimulation on breastfeeding rates for preterm, low birth weight infants: a randomized clinical trial author indexsubject indexarticles search
Home Pagealphabetic serial listing  

Jornal de Pediatria

Print version ISSN 0021-7557

Abstract

TOURINHO, Francis S. V.; BUCARETCHI, Fábio; STEPHAN, Celso  and  CORDEIRO, Ricardo. Farmácias domiciliares e sua relação com a automedicação em crianças e adolescentes. J. Pediatr. (Rio J.) [online]. 2008, vol.84, n.5, pp. 416-422. ISSN 0021-7557.  http://dx.doi.org/10.1590/S0021-75572008000600007.

OBJETIVO: Analisar as características das farmácias domiciliares e sua relação com a automedicação em crianças e adolescentes dos municípios de Limeira e Piracicaba (SP). MÉTODOS: Estudo descritivo tipo inquérito populacional domiciliar de uma amostra aleatória simples de ambos os municípios, constituída de 705 domicílios de setores censitários selecionados por meio de amostragem por conglomerado. Critérios de inclusão: idade ≤ 18 anos; entrevista obrigatória com um dos responsáveis; inventário da farmácia domiciliar e ter consumido pelo menos um medicamento nos 15 dias prévios à data da entrevista. Segundo o uso de medicamentos, os participantes foram divididos em dois grupos de estudo: automedicação (orientação leiga) e prescrição médica. Foram realizados testes de associação linear, análise descritiva das variáveis e regressão logística múltipla. RESULTADOS: Foram identificados 3.619 medicamentos (média = 5,1/domicílio; 79,6% especialidades farmacêuticas). Os principais cômodos de estoque foram dormitórios (47,5%), cozinha (29,9%) e banheiros (14,6%); 76,5% em caixas de papelão e em locais de fácil alcance a 142 crianças com idade ≤ 6 anos. Considerando somente as especialidades farmacêuticas (n = 2.891), as mais freqüentes foram analgésicos/antipiréticos (26,8%) e antibióticos sistêmicos (15,3%), sendo o estoque desses medicamentos significativamente mais elevado no grupo automedicação (p < 0,01). Guardar medicamentos nos banheiros (razão de chances = 1,59) e grau de instrução dos responsáveis legais ≤ 4 anos do ensino fundamental (razão de chances = 2,40) denotaram maior risco de automedicação. CONCLUSÕES: É comum armazenar medicamentos nos domicílios, sendo importante a efetivação de campanhas visando o uso racional, a diminuição do desperdício e o estoque seguro.

Keywords : Crianças; adolescentes; farmácia domiciliar; uso racional de medicamentos; automedicação; farmacoepidemiologia.

        · abstract in English     · text in English | Portuguese     · pdf in English | Portuguese