SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.85 issue3Isolated and combined risks for anemia in children attending the nurseries of daycare centersAnthropometric evaluation, risk factors for malnutrition, and nutritional therapy for children in teaching hospitals in Brazil author indexsubject indexarticles search
Home Pagealphabetic serial listing  

Jornal de Pediatria

Print version ISSN 0021-7557

Abstract

BASSANI, Mariana A.; MEZZACAPPA FILHO, Francisco; COPPO, Maria Regina C.  and  MARBA, Sérgio T. M.. Influência do manuseio do balão autoinflável neonatal sobre o pico de pressão e o volume corrente. J. Pediatr. (Rio J.) [online]. 2009, vol.85, n.3, pp. 217-222. ISSN 0021-7557.  http://dx.doi.org/10.1590/S0021-75572009000300006.

OBJETIVO: Avaliar a influência do manuseio do ventilador pulmonar manual neonatal com bolsa autoinflável sobre pico de pressão e volume corrente. MÉTODOS: Estudo experimental com 141 profissionais de saúde (médicos, médicos residentes, fisioterapeutas, enfermeiros e técnicos de enfermagem) que ventilaram um pulmão artificial ajustado para reproduzir o pulmão de um recém-nascido a termo, utilizando ventilador pulmonar manual autoinflável com cinco diferentes modos de manuseio: com as duas mãos (10 dedos) e com uma mão, utilizando cinco, quatro, três e dois dedos. Valores de pico de pressão e volume corrente foram registrados pelo pulmão artificial. RESULTADOS: Observou-se alta variabilidade nos valores das variáveis estudadas. A média do pico de pressão foi 39,73 cmH2O (IC95% 37,32-42,13), variando de 2,5 a 106,3 cmH2O, e do volume foi 39,56 mL (IC95% 36,86-42,25), variando de 4 a 88 mL. Não foi detectada influência significativa da profissão sobre as variáveis estudadas (p > 0,05). Observou-se que o modo de manuseio do ventilador pulmonar manual influenciou significativamente o pico de pressão e o volume corrente (p < 0,0001), que foram maiores quando o ventilador foi manuseado com as duas mãos. CONCLUSÃO: A maioria dos profissionais gerou pico de pressão e volume corrente muito elevados, principalmente quando foram empregadas as duas mãos para ventilar, aumentando o risco de barotrauma e volutrauma. Por outro lado, parte dos profissionais forneceu pressões e volumes tão baixos que seriam insuficientes para a adequada expansão pulmonar, podendo levar a hipoventilação. Tais riscos não dependeram da formação profissional.

Keywords : Reanimação neonatal; ventilação pulmonar manual; bolsas autoinfláveis; barotrauma.

        · abstract in English     · text in English | Portuguese     · pdf in English | Portuguese