SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.86 issue3Effects of physical exercise during pregnancy and protein malnutrition during pregnancy and lactation on the development and growth of the offspring's femurHyperinsulinism assessment in a sample of prepubescent children author indexsubject indexarticles search
Home Pagealphabetic serial listing  

Jornal de Pediatria

Print version ISSN 0021-7557

Abstract

ANDRADE, Regina Aparecida de; COCA, Kelly Pereira  and  ABRAO, Ana Cristina F. V.. Padrão de aleitamento materno no primeiro mês de vida em mulheres submetidas a cirurgia de redução de mamas e implantes. J. Pediatr. (Rio J.) [online]. 2010, vol.86, n.3, pp. 239-244. ISSN 0021-7557.  http://dx.doi.org/10.1590/S0021-75572010000300013.

OBJETIVO: Descrever o padrão de aleitamento materno no primeiro mês de vida da criança em mulheres que se submeteram a dois tipos de cirurgias mamárias - redução e implante - e comparar com o padrão praticado por mulheres que não se submeteram às cirurgias. MÉTODOS: Coorte prospectiva controlada com 25 mulheres submetidas a cirurgia redutora, 24 a cirurgia de implante e 25 sem cirurgia de mama, que tiveram seus filhos no Hospital Israelita Albert Einstein, São Paulo (SP). Os dados foram coletados por meio de avaliações realizadas entre 48 e 72 horas, entre os quinto e sétimo dias e 30 dias após o parto. Para análise dos dados, usaram-se os testes qui-quadrado, exato de Fisher, curva de Kaplan-Meier e regressão de Cox. RESULTADOS: A probabilidade de uma criança estar em aleitamento exclusivo no final do primeiro mês de vida foi de 29% em mulheres com cirurgia redutora e 54% nas com cirurgia de implante, e 80% nas mulheres sem cirurgia. A probabilidade do aleitamento misto estar presente neste mesmo período foi de 68% entre mães com cirurgia de redução, 32% com cirurgia de implante e apenas 16% entre as mulheres sem cirurgia mamária. O risco de uma criança estar em aleitamento não exclusivo foi cinco vezes maior entre mães do grupo submetido a redução, quando comparado àquelas do grupo sem cirurgia (p = 0,002). Para o grupo de mulheres com implante, o risco de uma criança estar em aleitamento não exclusivo foi 2,6 vezes aquele observado entre crianças cujas mães fazem parte do grupo sem cirurgia (p = 0,075). CONCLUSÃO: A cirurgia redutora de mama e de implante refletiu em menor taxa de aleitamento materno exclusivo no primeiro mês de vida da criança.

Keywords : Aleitamento materno; mamoplastia; implante mamário; enfermagem.

        · abstract in English     · text in English | Portuguese     · pdf in English | Portuguese