SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.87 issue6C3 and C4 complement system components as biomarkers in the intermittent atopic asthma diagnosisIncreased oxidative stress in preschool children exposed to passive smoking author indexsubject indexarticles search
Home Pagealphabetic serial listing  

Jornal de Pediatria

Print version ISSN 0021-7557

Abstract

OLIVEIRA, Karoline Faria de; CUNHA, Daniel Ferreira da  and  WEFFORT, Virginia Resende Silva. Análise da vitamina C sérica e ingerida e estresse oxidativo em crianças e adolescentes infectados pelo vírus da imunodeficiência humana. J. Pediatr. (Rio J.) [online]. 2011, vol.87, n.6, pp. 517-522. ISSN 0021-7557.  http://dx.doi.org/10.1590/S0021-75572011000600010.

OBJETIVOS: Verificar adequação do consumo de vitamina C em crianças e adolescentes infectados pelo vírus da imunodeficiência humana (HIV), avaliar níveis séricos da vitamina e indicadores de estresse oxidativo, comparar ao grupo não infectado, correlacionar a vitamina sérica ao estresse oxidativo e associá-los segundo os valores de referência. MÉTODOS: Estudo seccional transversal comparativo. Dois grupos com 27 crianças e adolescentes cada, de 3 a 19 anos, sendo G1 infectados pelo HIV por transmissão vertical atendidos em ambulatório regional e G2 indivíduos convidados sem histórico de infecção pelo HIV. Foram pareados por sexo, idade e condição socioeconômica. Avaliou-se: antropometria (índice de massa corporal para idade), ingestão e consumo do micronutriente, análise sérica da vitamina C, proteína C reativa e albumina. RESULTADOS: Idade média encontrada de 12 anos, prevalência do sexo feminino (17 - 63%) e da classe econômica C (27 - 50%). Diagnóstico nutricional prevalente foi eutrofia em 20 (74,1%) em G1 e 21 (77,8%) em G2. O consumo de vitamina C foi significativamente maior em G1 (p = 0,006; t = 2,987) pelo método recordatório 24 horas. Houve diferença significativa da dosagem sérica de vitamina C, sendo menor em G1 (p = 0,000; t = -7,309). Em relação ao estresse oxidativo, os valores da proteína C reativa em G1 foram significativamente maiores (p = 0,007; t = 2,958). Não houve relação entre deficiência da vitamina, proteína C reativa e albumina. CONCLUSÃO: Os resultados encontrados mostram que indivíduos infectados pelo HIV apresentam baixos valores da vitamina C, não relacionados à alimentação, uma vez que o consumo desse micronutriente foi superior ao grupo comparativo, que não apresentou essa depleção. Existem peculiaridades nos indivíduos infectados que aumentam o estresse oxidativo, evidenciado pelo aumento da proteína C reativa.

Keywords : Criança; adolescente; HIV; ácido ascórbico.

        · abstract in English     · text in English | Portuguese     · pdf in English | Portuguese