SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.53 issue2Dexmedetomidine/propofol association for plastic surgery sedation during local anesthesiaDesflurane: physicochemical properties, pharmacology and clinical use author indexsubject indexarticles search
Home Pagealphabetic serial listing  

Revista Brasileira de Anestesiologia

Print version ISSN 0034-7094

Abstract

VASQUEZ, Carlos Escobar; TOMITA, Tomio; BEDIN, Antonio  and  CASTRO, Renato Almeida Couto de. Anestesia subdural após punção peridural: relato de dois casos. Rev. Bras. Anestesiol. [online]. 2003, vol.53, n.2, pp. 209-213. ISSN 0034-7094.  http://dx.doi.org/10.1590/S0034-70942003000200008.

JUSTIFICATIVA E OBJETIVOS: Anestesias condutivas peridurais são realizadas amplamente no nosso meio. A anestesia subdural acidental após punção peridural é uma complicação rara. O objetivo deste relato é descrever dois casos de injeção subdural que coincidentemente ocorreram de forma consecutiva realizadas pelo mesmo anestesiologista. RELATO DOS CASOS: Caso 1: Paciente do sexo masculino, 41 anos, estado físico ASA I, a realizar procedimento cirúrgico de retirada de cálculo renal. Optou-se por anestesia peridural. Após 30 minutos do início da anestesia, o paciente mantinha-se comunicativo mas sonolento com SpO2 de 100%, quando lentamente começou a apresentar diminuição da SpO2 chegando a 80%. Apresentava-se inconsciente com apnéia e anisocoria. A partir deste momento foi levantada hipótese diagnóstica de anestesia subdural acidental. O paciente foi então intubado e mantido em ventilação controlada mecânica. Terminada a cirurgia, foi encaminhado para a sala de recuperação, recebendo alta após 6 horas, sem nenhuma alteração clínico-neurológica. Caso 2: Paciente do sexo feminino, 82 anos, estado físico ASA II, programado para procedimento cirúrgico de fixação de fratura transtrocanteriana. Optou-se por anestesia peridural contínua. Assim como no caso anterior, após 30 minutos, a paciente começou a apresentar diminuição da SpO2 para 90%. Mostrava-se inconsciente e com anisocoria; entretanto, sem apnéia. Optou-se por manter a paciente sob vigilância constante, não sendo necessária intubação. A hipótese diagnóstica aventada também neste caso foi de anestesia subdural acidental. Terminada a cirurgia, a paciente foi encaminhada à sala de recuperação pós-anestésica, tendo alta após 4 horas, sem nenhuma alteração clínico-neurológica. CONCLUSÕES: Anestesia subdural acidental é uma complicação extremamente rara. A hipótese diagnóstica de anestesia subdural acidental, nestes casos, limitou-se aos dados clínicos. As complicações do bloqueio subdural podem ser das mais variadas, mas na sua grande maioria são de fácil resolução, desde que sejam diagnosticadas e tratadas rapidamente.

Keywords : COMPLICAÇÕES [injeção subdural]; TÉCNICAS ANESTÉSICAS [Regional]; TÉCNICAS ANESTÉSICAS [peridural].

        · abstract in English | Spanish     · text in Portuguese     · pdf in Portuguese