SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.53 issue3Comparative study of 0.5% bupivacaine versus 0.5% bupivacaine enantiomeric mixture (S75-R25) in epidural anesthesia for orthopedic surgeryComparative study of intercostal and interpleural block for post-cholecystectomy analgesia author indexsubject indexarticles search
Home Pagealphabetic serial listing  

Revista Brasileira de Anestesiologia

Print version ISSN 0034-7094

Abstract

GEIER, Karl Otto. É realmente necessário o uso do estimulador de nervo periférico no bloqueio do nervo femoral?. Rev. Bras. Anestesiol. [online]. 2003, vol.53, n.3, pp. 338-345. ISSN 0034-7094.  http://dx.doi.org/10.1590/S0034-70942003000300004.

JUSTIFICATIVA E OBJETIVOS: Vários são os métodos de localização do nervo femoral no espaço perivascular na região inguinal sendo o mais comum o do estimulador de nervo periférico. O objetivo deste estudo foi o de avaliar a necessidade do bloqueio do nervo femoral com o método do estimulador de nervo periférico, comparando-o com o método da perda de resistência tanto pela técnica de injeção única como pela técnica com catéteres. MÉTODO: Foram realizados 60 bloqueios do nervo femoral divididos em quatro grupos homogêneos (GA, GB, GC e GD). Trinta bloqueios representaram dois grupos pela técnica de injeção única, quinze com agulha descartável 21G (GA) e quinze com agulha isolada adaptada ao estimulador de nervo periférico (GC) e os restantes trinta bloqueios divididos em quinze bloqueios com cateter venoso (GB) e quinze com cateter longo Contiplex® (GD). Todos os bloqueios do nervo femoral foram realizados no espaço perivascular inguinal. O espaço perifemoral foi identificado após a segunda perda de resistência ao ar (fascia ilíaca) (GA e GC), e com 0,3 a 0,4 mA com o estimulador de nervo periférico (GB e GD). Foram avaliados os seguintes parâmetros: tempo para a realização do bloqueio; presença ou ausência de parestesias ou disestesias; dificuldade de punção e falhas. RESULTADOS: Não foram relatadas parestesias nem disestesias. Duas falhas resultaram no grupo A (p < 0,26), no mesmo paciente e duas dificuldades de punção devido aos recentes e vários bloqueios no local. Não houve diferenças significativas quanto à eficácia entre o método da perda de resistência com o do estimulador de nervo periférico. O tempo despendido pelo método do estimulador de nervo periférico foi maior (p < 0,001). CONCLUSÕES: Embora o uso do estimulador de nervo periférico seja o mais utilizado no bloqueio do nervo femoral na região inguinal, neste estudo, o método da perda de resistência mostrou-se uma alternativa bastante eficaz e viável.

Keywords : ANESTESIA [Regional]; ANESTESIA [bloqueio do nervo femoral]; EQUIPAMENTOS [estimulador de nervos].

        · abstract in English | Spanish     · text in Portuguese     · pdf in Portuguese