SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.57 issue3Remifentanil: does the infusion regimen make a difference in the prevention of hemodynamic responses to tracheal intubation?Combined spinal-epidural for labor analgesia: does the addition of sufentanil to the local anesthetic influence apgar scores of the newborns? author indexsubject indexarticles search
Home Pagealphabetic serial listing  

Revista Brasileira de Anestesiologia

Print version ISSN 0034-7094

Abstract

IMBELLONI, Luiz Eduardo; BEATO, Lúcia; GOUVEIA, Marildo A  and  CORDEIRO, José Antônio. Baixa dose de bupivacaína isobárica, hiperbárica ou hipobárica para raquianestesia unilateral. Rev. Bras. Anestesiol. [online]. 2007, vol.57, n.3, pp. 261-270. ISSN 0034-7094.  http://dx.doi.org/10.1590/S0034-70942007000300004.

JUSTIFICATIVA E OBJETIVOS: A raquianestesia unilateral pode apresentar vantagens principalmente em pacientes em regime ambulatorial. Baixa dose da solução anestésica, velocidade lenta da injeção espinal e a posição lateral facilitam a obtenção da distribuição unilateral na raquianestesia. Foram comparadas soluções isobárica, hiperbárica e hipobárica de bupivacaína com objetivos de se obter raquianestesia unilateral em pacientes submetidos a intervenções cirúrgicas ortopédicas em regime ambulatorial. MÉTODO: Cento e cinqüenta pacientes foram aleatoriamente separados em três grupos para receberem 5 mg de bupivacaína a 0,5% isobárica (Grupo Iso), ou 5 mg de bupivacaína a 0,5% hiperbárica (Grupo Hiper), ou 5 mg de bupivacaína a 0,15% hipobárica (Grupo Hipo). As soluções foram administradas no interespaço L3-L4 com o paciente na posição lateral e permanecendo nesta posição por 20 minutos. A anestesia sensitiva foi avaliada pelo teste da picada da agulha. O bloqueio motor avaliado pela escala modificada de Bromage. Ambos os bloqueios foram comparados com o lado não operado e entre si. RESULTADOS: Existiu diferença significativa entre o lado operado e não-operado em todos os três grupos aos 20 minutos, mas maior freqüência de raquianestesia unilateral foi obtida com as soluções hiperbárica e hipobárica de bupivacaína. Bloqueio sensitivo e motor foram observados em 14 pacientes do Grupo Iso, 38 pacientes no Grupo Hiper e 40 pacientes no Grupo Hipo. Não ocorreram alterações hemodinâmicas em nenhum paciente. Não foram observados cefaléia pós-punção nem sintomas neurológicos temporários. CONCLUSÕES: A raquianestesia com soluções hipobárica e hiperbárica proporcionou maior freqüência de unilateralidade. Após 20 minutos a solução isobárica de bupivacaína mobilizou-se no líquido cefalorraquidano (LCR), resultando em apenas 28% de raquianestesia unilateral.

Keywords : ANESTÉSICOS [bupivacaína]; CIRURGIA, Ortopédica; TÉCNICAS ANESTÉSICAS, Regional [raquianestesia unilateral].

        · abstract in English | Spanish     · text in English | Portuguese     · pdf in English | Portuguese