SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.57 issue4Intraperitoneal administration of 50% enantiomeric excess (S75-R25) bupivacaine in postoperative analgesia of laparoscopic cholecystectomyThe influence of epidural morphine in the pulmonary function of patients undergoing open cholecystectomy author indexsubject indexarticles search
Home Pagealphabetic serial listing  

Revista Brasileira de Anestesiologia

Print version ISSN 0034-7094

Abstract

CONTRERAS-DOMINGUEZ, Victor A.; CARBONELL-BELLOLIO, Paulina E.; OJEDA-GRECIET, Álvaro C.  and  SANZANA, Edgardo S.. Analgesia controlada pelo paciente reduz consumo de bupivacaína no bloqueio femoral no tratamento da dor pós-operatória após reconstrução do ligamento cruzado anterior do joelho. Rev. Bras. Anestesiol. [online]. 2007, vol.57, n.4, pp. 356-365. ISSN 0034-7094.  http://dx.doi.org/10.1590/S0034-70942007000400003.

JUSTIFICATIVA E OBJETIVOS: O bloqueio femoral contínuo (BFC) é utilizado na analgesia pós-operatória das substituições articulares de quadril e joelho com bom resultado. O objetivo deste estudo foi avaliar a utilidade do BFC, comparando três esquemas de administração de bupivacaína após reconstrução do ligamento cruzado anterior (LCA) do joelho por artroscopia. MÉTODO: Estudo prospectivo controlado de 90 pacientes estado físico ASA I e II. Os pacientes foram divididos em três grupos: Grupo 1 (n = 30): 10 mL.h-1 em infusão contínua (IC) de bupivacaína 0,125% + clonidina 1µg.mL-1 (B + C); Grupo 2 (n = 30): 5 mL.h-1 em IC + 2,5 mL de B + C em PCA a cada 30 min; Grupo 3 (n = 30): 5 mL.h-1 de B + C em PCA cada 30 min. A anestesia foi por via subaracnóidea. A dor pós-operatório foi registrada às 2, 4, 6, 24 e 48 horas após a operação avaliada pela Escala Analógica Visual (VAS). Anotou-se também consumo de bupivacaína e morfina. RESULTADOS: Não foram registradas diferenças nas variáveis demográficas entre ambos os grupos. O VAS pós-operatório entre 2 e 48 horas não mostrou diferenças. O consumo de morfina entre 4 e 48 horas foi similar nos três grupos (p = 0,07). No grupo em que só foi utilizado o modo PCA, o consumo de bupivacaína foi significativamente menor (p < 0,001). CONCLUSÕES: O bloqueio femoral contínuo foi uma técnica útil para o manuseio da dor pós-operatória na reconstrução de LCA do joelho. Um débito de apenas 5 mL.h-1 em IC ou em bolos PCA assegurou uma excelente analgesia pós-operatória.

Keywords : ANALGESIA, Pós-operatória [analgesia controlada pelo paciente]; ANESTÉSICOS, Local [bupivacaína]; CIRURGIA, Ortopédica [reconstrução do ligamento anterior cruzado].

        · abstract in English | Spanish     · text in English | Portuguese     · pdf in English | Portuguese