SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.57 issue5Prospective study on the repercussions of low doses of remifentanil on sinoatrial function and in cardiac conduction and refractory period author indexsubject indexarticles search
Home Pagealphabetic serial listing  

Revista Brasileira de Anestesiologia

Print version ISSN 0034-7094

Abstract

MELLO, Sérgio Silva de; MARQUES, Ronaldo Soares  and  SARAIVA, Renato Ângelo. Complicações respiratórias em pacientes com paralisia cerebral submetidos à anestesia geral. Rev. Bras. Anestesiol. [online]. 2007, vol.57, n.5, pp. 455-464. ISSN 0034-7094.  http://dx.doi.org/10.1590/S0034-70942007000500001.

JUSTIFICATIVA E OBJETIVOS: Anestesia em pacientes com paralisia cerebral (PC) pode representar um desafio para o anestesiologista. Este estudo prospectivo teve como objetivo determinar a prevalência e o risco de complicações respiratórias em crianças com PC submetidas à anestesia geral inalatória (AGI) para tomografia computadorizada (TC). MÉTODO: Participaram do estudo pacientes com idades entre 1 e 17 anos, estado físico ASA I a III, submetidos a AGI com sevoflurano e máscara laríngea para TC no período de junho/2002 a junho/2003, divididos em três grupos: PC tetraplégicos (PCT), outros tipos de PC (PCO) e paciente sem PC (NPC). Os pais ou responsáveis responderam a um questionário com perguntas sobre o histórico médico dos pacientes, infecção de vias aéreas superiores (IVAS), asma, convulsão, incoordenação orofaríngea, refluxo gastroesofágico, etc. Dados sobre incidência e gravidade das complicações respiratórias foram coletados prospectivamente (tosse, broncoespasmo, laringoespasmo, hipoxemia, aspiração). A amostra foi calculada para uma incidência esperada de 5% no grupo NPC, com uma diferença de 15% entre os grupos (a = 0,05 e b = 0,1), utilizando-se os testes do Qui-quadrado, exato de Fisher e t de Student. RESULTADOS: Compuseram a amostra 290 pacientes divididos nos grupos da seguinte forma: PCT - 100, PCO - 79 e NPC - 111. Não houve diferença na prevalência de complicações respiratórias entre os grupos PCT (4%), PCO (8,9%) e NPC (7,3%). Houve associação entre a presença de IVAS e a ocorrência de complicações (risco relativo, 10,71). CONCLUSÕES: Crianças com paralisia cerebral tipo tetraplegia espástica não parecem ter um risco aumentado de complicações respiratórias durante anestesia geral inalatória com sevoflurano e máscara laríngea. O estudo confirma IVAS como fator de risco para a ocorrência dessas complicações.

Keywords : ANESTESIA, Geral [inalatória]; DOENÇAS, neurológica [paralisia cerebral]; COMPLICAÇÕES [respiratórias].

        · abstract in English | Spanish     · text in English | Portuguese     · pdf in English | Portuguese