SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.57 issue5Respiratory complications in patients with cerebral palsy undergoing general anesthesiaAlveolar recruitment maneuver to reverse hypoxemia in the immediate postoperative period of cardiac surgery author indexsubject indexarticles search
Home Pagealphabetic serial listing  

Revista Brasileira de Anestesiologia

Print version ISSN 0034-7094

Abstract

LEITE, Simone Soares et al. Estudo prospectivo das repercussões de baixas doses de remifentanil na função sinoatrial e na condução e refratariedade cardíaca. Rev. Bras. Anestesiol. [online]. 2007, vol.57, n.5, pp. 465-475. ISSN 0034-7094.  http://dx.doi.org/10.1590/S0034-70942007000500002.

JUSTIFICATIVA E OBJETIVOS: O remifentanil é um opióide com início e término de ação rápidos, cujo uso em procedimentos de curta duração vem se propagando nos últimos anos. Entre os efeitos colaterais descritos, há relatos de bradicardia e assistolia. O objetivo deste estudo foi avaliar os efeitos desse fármaco na condução e refratariedade cardíaca, em humanos. MÉTODO: Estudo prospectivo de 16 pacientes, entre 18 e 65 anos, de ambos os sexos, ASA I a III, submetidos a estudo eletrofisiológico intracardíaco eletivo. Foram excluídos os pacientes com doença do nódulo sinoatrial e os portadores de bloqueios cardíacos graves. No laboratório de eletrofisiologia, os pacientes foram inicialmente sedados com midazolam (0,03 mg.kg-1), após 5 minutos (M0) avaliou-se o grau de sedação de intensidade de dor, pressões arteriais sistólica e diastólica, freqüências cardíaca e respiratória e saturação de oxigênio. O eletrofisiologista avaliou as variáveis de condução cardíaca (duração do QRS, intervalos AA, AH, HV e PA), o tempo de recuperação do nódulo sinoatrial e as variáveis de refratariedade cardíaca (período refratário do átrio direito, período refratário do ventrículo direito e período refratário do nódulo atrioventricular). Após as medidas iniciais o remifentanil foi introduzido (bolus de 0,5 µg.kg-1 + infusão de 0,05 µg.kg-1.min-1) e após 20 minutos as mesmas variáveis foram reavaliadas (M1). RESULTADOS: Observou-se diminuição das pressões sistólica e diastólica (p = 0,0001) entre M0 e M1, sem diferença estatística significativa da freqüência respiratória ou da saturação de oxigênio. Houve aumento do intervalo átrio-His (p = 0,006) e do tempo de recuperação do nódulo sinoatrial (p = 0,0004), do período refratário do átrio direito (p = 0,001) e do período refratário do nódulo atrioventricular (p = 0,0001), porém não houve diminuição da freqüência cardíaca basal entre M0 e M1. CONCLUSÕES: O remifentanil alterou as variáveis eletrofisiológicas cardíacas, o que em doses maiores que as estudadas poderiam causar bradicardia sinusal, assistolia e distúrbios de condução.

Keywords : ANALGÉSICOS, Opióide [remifentanil]; CIRURGIA, Cardíaca [ablação]; COMPLICAÇÕES [assistolia, bradicardia]; FISIOLOGIA, Cardiovascular [condução, refratariedade].

        · abstract in English | Spanish     · text in English | Portuguese     · pdf in English | Portuguese