SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.59 issue1Oral midazolam as pre-anesthetic medication in children and teenagers with cerebral palsy: a comparative study on the variations of the bispectral indexA study on electrocardiographic changes secondary to the use of tricyclic antidepressants in patients with chronic pain author indexsubject indexarticles search
Home Pagealphabetic serial listing  

Revista Brasileira de Anestesiologia

Print version ISSN 0034-7094

Abstract

SILVA, Mauro Prado da et al. Impacto da parada cardíaca induzida nas funções cognitivas após o implante de cardiodesfibrilador. Rev. Bras. Anestesiol. [online]. 2009, vol.59, n.1, pp. 37-45. ISSN 0034-7094.  http://dx.doi.org/10.1590/S0034-70942009000100006.

JUSTIFICATIVA E OBJETIVOS: O cardiodesfibrilador implantável (CDI) foi introduzido na prática clínica em 1980 e é considerado o tratamento-padrão para indivíduos sob risco de desenvolverem disritmias ventriculares fatais. Com o intuito de garantir funcionamento adequado do cardiodesfibrilador, a energia necessária para o término da taquicardia ventricular ou da fibrilação ventricular deve ser determinada durante o implante, sendo esse procedimento chamado de teste do limiar de desfibrilação. Para a realização do teste é necessário que seja feita indução de fibrilação ventricular, para que o aparelho possa identificar o ritmo cardíaco e tratá-lo. O objetivo deste estudo foi verificar a ocorrência de disfunção cognitiva 24 horas após o implante de cardiodesfibrilador. MÉTODO: Foi selecionada uma amostra consecutiva de 30 pacientes com indicação de colocação de cardiodesfibrilador implantável (CDI) e 30 pacientes com indicação de implante de marca-passo (MP). Os pacientes foram avaliados nos seguintes momentos: 24 horas antes da colocação do CDI ou MP com ficha de avaliação pré-anestésica, Mini Exame do Estado Mental (MEEM) e Confusion Assessment Method (CAM). Durante o implante do CDI ou MP foram medidas as variáveis: número de paradas cardíacas e tempo total de parada cardíaca. Vinte e quatro horas após colocação do CDI ou MP, foram avaliadas as variáveis: MEEM e CAM. RESULTADOS: O teste de Fisher comprovou não haver diferença da freqüência de escores alterados do MEEM e do CAM entre os grupos antes e depois dos implantes. O tempo médio de PCR foi 7,06 segundos, com máximos e mínimos de 15,1 e 4,7 segundos. CONCLUSÕES: A indução de parada cardíaca durante o teste do limiar de desfibrilação não levou à disfunção cognitiva 24 horas após o implante de cardiodesfibrilador.

Keywords : CIRURGIA, Cardíaca [parada cardíaca induzida]; COMPLICAÇÕES [isquemia encefálica]; COMPLICAÇÕES [manifestações neurológicas]; COMPLICAÇÕES [transtornos cognitivos]; EQUIPAMENTOS [desfibriladores implantáveis]; marca-passo.

        · abstract in English | Spanish     · text in English | Portuguese     · pdf in English | Portuguese