SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.59 issue3Proinflammatory cytokines in patients with neuropathic pain treated with TramadolPrevalence and influence of gender, age, and type of surgery on postoperative pain author indexsubject indexarticles search
Home Pagealphabetic serial listing  

Revista Brasileira de Anestesiologia

Print version ISSN 0034-7094

Abstract

SILVA JUNIOR, João Manoel et al. Importância da hipercloremia no intraoperatório. Rev. Bras. Anestesiol. [online]. 2009, vol.59, n.3, pp. 304-313. ISSN 0034-7094.  http://dx.doi.org/10.1590/S0034-70942009000300005.

JUSTIFICATIVA E OBJETIVOS: A hipercloremia associada à acidose proporciona pior evolução dos pacientes se não identificada e tratada corretamente. O objetivo deste estudo foi verificar a importância da hipercloremia no intraoperatório. MÉTODO: Estudo de coorte prospectivo, durante cinco meses. Incluiu-se no estudo pacientes com idade igual ou maior que 18 anos submetidos a intervenções cirúrgicas com pós-operatório em unidade de terapia intensiva. Moribundos, diabéticos e com insuficiência renal foram excluídos. Os pacientes foram divididos em dois grupos: CH (hipercloremia) e SH (sem hipercloremia). A determinação de hipercloremia foi através de análise de curva ROC (Receiver Operating Characteristic), ou seja, o ponto com maior sensibilidade e especificidade para óbito foi escolhido como limite para diferenciar entre hipercloremia ou não. RESULTADOS: O estudo envolveu 393 pacientes. As concentrações séricas de cloro foram 111,9 ± 6,7 mEq.L-1, pH 7,31 ± 0,09 e diferença de bases de -5,6 ± 4,6 mmol.L-1. A área sob a curva ROC dos valores de cloro foi de 0,76 com ponto de corte de 114 mEq.L-1, sensibilidade = 85,7% e especificidade = 70,1%. Pacientes com cloro maior que 114 mEq.L-1 totalizaram 31,7% e foram determinados como grupo CH. O grupo CH apresentou maior mortalidade do que o grupo SH, 19,3% versus 7,4%, p = 0,001, acidose metabólica pH 7,27 (0,08) versus 7,32 (0,09) p = 0,001, diferença de bases -7,9 (3,8) mmol.L-1 versus -4,2 (4,6) mmol.L-1 p < 0,001, tempo cirúrgico 4,5 (1,8)h versus 3,6 (1,9)h p = 0,001 e quantidade de cristalóides no intra-operatório 4250 (2500-6000) mL versus 3000 (2000-5000) mL, p = 0,002. Não houve outras diferenças entre os grupos. CONCLUSÕES: Hipercloremia tem alta incidência no final do intra-operatório e esta associada à acidose metabólica, maior tempo cirúrgico, maiores quantidades de fluidos cristaloides e maior mortalidade no pós-operatório.

Keywords : EQUILÍBRIO ÁCIDO BASE [acidose]; EQUILÍBRIO HIDRO-ELETROLÍTICO [hipercloremia]; PROGNÓSTICO.

        · abstract in English | Spanish     · text in English | Portuguese     · pdf in English | Portuguese