SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.59 issue5Anesthesia in a patient with congenital insensitivity to pain and anhidrosisAbdominal compartment syndrome during endoscopic clamping of an intestinal perforation secondary to colonoscopy author indexsubject indexarticles search
Home Pagealphabetic serial listing  

Revista Brasileira de Anestesiologia

Print version ISSN 0034-7094

Abstract

MORO, Eduardo Toshiyuki; ANDRADE JUNIOR, Francisco Carlos de; ANDRADE, Renato Augusto  and  OLIVEIRA JUNIOR, Sérgio Penteado de Camargo. Intubação nasotraqueal guiada por rinoscópio em criança de um ano de idade portadora de Osteogenesis imperfecta: relato de caso. Rev. Bras. Anestesiol. [online]. 2009, vol.59, n.5, pp. 610-613. ISSN 0034-7094.  http://dx.doi.org/10.1590/S0034-70942009000500010.

JUSTIFICATIVA E OBJETIVOS: A Osteogênesis Imperfecta (OI) é uma rara doença genética de herança autossômica dominante. A anestesia para o paciente portador da OI inclui diversos desafios, entre eles o manuseio da via aérea e a escolha da técnica anestésica. O objetivo do presente artigo foi descrever caso de criança portadora desta doença associada à hidrocefalia, submetida à anestesia venosa total e intubação nasotraqueal guiada por rinoscópio para realização de derivação ventrículo-peritoneal. RELATO DO CASO: Paciente do sexo masculino, um ano e três meses de idade, com diagnósticos de OI (tipo III) e hidrocefalia submetido à derivação ventrículo-peritoneal. Após a administração de midazolam (1 mg.kg-1) por via oral 30 minutos antes do procedimento, a criança foi monitorizada, seguindo-se a venóclise com cateter 24G. Após oxigenação, procedeu-se à indução anestésica com remifentanil, propofol e cisatracúrio. A intubação nasotraqueal foi guiada por rinolaringoscópio (Olimpus® ENF P3) e cânula de 4,5 mm com balonete foi inserida sem intercorrências. A anestesia foi mantida com infusão de remifentanil e propofol. A operação teve duração de 120 minutos, sem intercorrências. CONCLUSÕES: O presente relato descreveu alternativa de aces-so à via aérea em crianças submetidas à anestesia geral e que por algum motivo não podem ser ventiladas através da máscara laríngea. O rinolaringoscópio, por apresentar diâmetro reduzido, permite a inserção de cânulas traqueais que não poderiam ser utilizadas com o emprego do fibroscópio convencional.

Keywords : ANESTESIA, Geral [venosa]; DOENÇAS, Genética [osteogênese imperfeita]; INTUBAÇÃO, Traqueal [nasotraqueal].

        · abstract in English | Spanish     · text in English | Portuguese     · pdf in English | Portuguese