SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.61 issue2Sentinels in Saltator atricollis (Passeriformes: Emberizidae)Genotoxic evaluation of the effect of Thuya occidentalys tinctures author indexsubject indexarticles search
Home Pagealphabetic serial listing  

Revista Brasileira de Biologia

Print version ISSN 0034-7108

Abstract

PINHEIRO, M. S.; ANDREOTTI E SILVA, R.  and  SANTOS, S. A.. Observações sobre a preferência térmica de filhotes recém-eclodidos do jacaré-do-Pantanal (Caiman crocodilus yacare; Crocodylia: Alligatoridae). Rev. Bras. Biol. [online]. 2001, vol.61, n.2, pp. 323-327. ISSN 0034-7108.  http://dx.doi.org/10.1590/S0034-71082001000200016.

Três opções de temperatura da água, em um gradiente térmico que variou de 22 a 35°C, foram oferecidas a filhotes recém-eclodidos do jacaré-do-Pantanal (Caiman crocodilus yacare). Os animais, provenientes de dois ninhos, foram submetidos às temperaturas durante 19 dias (Ninhada 1 - 20 jacarés capturados no campo, horas após a eclosão), correspondendo aos períodos de observação 1 a 7, e 13 dias (Ninhada 2 - 21 animais obtidos por incubação artificial) referentes ao oitavo período de observação. Os jacarés permaneceram em jejum durante o período experimental. Os filhotes foram alocados em um recinto contendo três caixas de isopor (120 L) dispostas lado a lado, cercadas com tela de viveiro e completadas com água até o topo. Desse modo, os animais tinham trânsito livre entre as caixas, cujas temperaturas foram trocadas ao término de cada período de observação para evitar efeito de posição. A temperatura do ar foi mantida em torno de 22°C por meio de um condicionador de ar e a da água foi controlada por termostatos. O ensaio foi dividido em três fases determinadas pela eliminação da temperatura menos freqüentada e sua substituição por uma outra temperatura. Em uma primeira fase do experimento, que compreendeu os períodos de observação 1, 2 e 3, os termostatos foram regulados para 22°C (CaixaD), 26°C (CxC) e 32°C (CxA). Na Fase 2, para 26°C, 29,5°C e 32°C (CxB), englobando os períodos 4, 5 e 6. Na terceira fase, que incluiu os períodos de observação 7 e 8, os termostatos foram ajustados para 29,5°C, 32°C e 35°C (CxE). O número de jacarés em cada caixa foi registrado duas a três vezes ao dia (8 h, 14 h e 17 h) antes de anotar a temperatura da água. As temperaturas médias da água (+ desvio-padrão) e as respectivas médias de freqüência de jacarés por caixa/temperatura foram: Fase 1 (CxD/22,3 + 1,2°C - 10,3%; CxC/27,0 ± 2,4°C - 32,0%; e CxA/31,2 ± 1,1°C - 57,6%); Fase 2 (CxC/26,6 ± 2,8°C - 13,3%; CxB/29,3 ± 2,2°C - 27,7%; e CxA/31,3 ± 1,2°C - 59,0%); e Fase 3 (CxB/29,5 ± 3,6°C - 23,7%; CxA/31,0 ± 2,2°C - 31,9%; e CxE/34,0 ± 2,2°C - 44,4%). Observa-se que, nas Fases 1 e 2, a caixa com água mais quente (CxA) foi a mais freqüentada. Na Fase 3, a diferença entre a maior e a menor freqüência se estreitou para 20,7%, em relação aos cerca de 46,5% nas Fases 1 e 2, indicando que as temperaturas de água entre 29,5 e 35°C resultaram em temperaturas corporais mais próximas da zona de conforto, nas condições do experimento.

Keywords : filhotes recém-eclodidos; jacaré; Pantanal; preferência térmica; temperatura da água.

        · abstract in English     · text in English     · pdf in English