SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.61 issue2Sentinels in Saltator atricollis (Passeriformes: Emberizidae)Genotoxic evaluation of the effect of Thuya occidentalys tinctures author indexsubject indexarticles search
Home Pagealphabetic serial listing  

Services on Demand

Journal

Article

Indicators

Related links

Share


Revista Brasileira de Biologia

Print version ISSN 0034-7108

Abstract

PINHEIRO, M. S.; ANDREOTTI E SILVA, R.  and  SANTOS, S. A.. Observações sobre a preferência térmica de filhotes recém-eclodidos do jacaré-do-Pantanal (Caiman crocodilus yacare; Crocodylia: Alligatoridae). Rev. Bras. Biol. [online]. 2001, vol.61, n.2, pp.323-327. ISSN 0034-7108.  http://dx.doi.org/10.1590/S0034-71082001000200016.

Três opções de temperatura da água, em um gradiente térmico que variou de 22 a 35°C, foram oferecidas a filhotes recém-eclodidos do jacaré-do-Pantanal (Caiman crocodilus yacare). Os animais, provenientes de dois ninhos, foram submetidos às temperaturas durante 19 dias (Ninhada 1 - 20 jacarés capturados no campo, horas após a eclosão), correspondendo aos períodos de observação 1 a 7, e 13 dias (Ninhada 2 - 21 animais obtidos por incubação artificial) referentes ao oitavo período de observação. Os jacarés permaneceram em jejum durante o período experimental. Os filhotes foram alocados em um recinto contendo três caixas de isopor (120 L) dispostas lado a lado, cercadas com tela de viveiro e completadas com água até o topo. Desse modo, os animais tinham trânsito livre entre as caixas, cujas temperaturas foram trocadas ao término de cada período de observação para evitar efeito de posição. A temperatura do ar foi mantida em torno de 22°C por meio de um condicionador de ar e a da água foi controlada por termostatos. O ensaio foi dividido em três fases determinadas pela eliminação da temperatura menos freqüentada e sua substituição por uma outra temperatura. Em uma primeira fase do experimento, que compreendeu os períodos de observação 1, 2 e 3, os termostatos foram regulados para 22°C (CaixaD), 26°C (CxC) e 32°C (CxA). Na Fase 2, para 26°C, 29,5°C e 32°C (CxB), englobando os períodos 4, 5 e 6. Na terceira fase, que incluiu os períodos de observação 7 e 8, os termostatos foram ajustados para 29,5°C, 32°C e 35°C (CxE). O número de jacarés em cada caixa foi registrado duas a três vezes ao dia (8 h, 14 h e 17 h) antes de anotar a temperatura da água. As temperaturas médias da água (+ desvio-padrão) e as respectivas médias de freqüência de jacarés por caixa/temperatura foram: Fase 1 (CxD/22,3 + 1,2°C - 10,3%; CxC/27,0 ± 2,4°C - 32,0%; e CxA/31,2 ± 1,1°C - 57,6%); Fase 2 (CxC/26,6 ± 2,8°C - 13,3%; CxB/29,3 ± 2,2°C - 27,7%; e CxA/31,3 ± 1,2°C - 59,0%); e Fase 3 (CxB/29,5 ± 3,6°C - 23,7%; CxA/31,0 ± 2,2°C - 31,9%; e CxE/34,0 ± 2,2°C - 44,4%). Observa-se que, nas Fases 1 e 2, a caixa com água mais quente (CxA) foi a mais freqüentada. Na Fase 3, a diferença entre a maior e a menor freqüência se estreitou para 20,7%, em relação aos cerca de 46,5% nas Fases 1 e 2, indicando que as temperaturas de água entre 29,5 e 35°C resultaram em temperaturas corporais mais próximas da zona de conforto, nas condições do experimento.

Keywords : filhotes recém-eclodidos; jacaré; Pantanal; preferência térmica; temperatura da água.

        · abstract in English     · text in English     · English ( pdf epdf )

 

Creative Commons License All the contents of this journal, except where otherwise noted, is licensed under a Creative Commons Attribution License