SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.37 número4HTLV-I/II e doadores de sangue: determinantes associados à soropositividade em população de baixo riscoFatores de risco associados à hospitalização por bronquiolite aguda no período pós-neonatal índice de autoresíndice de assuntospesquisa de artigos
Home Pagelista alfabética de periódicos  

Serviços Personalizados

Journal

Artigo

Indicadores

Links relacionados

Compartilhar


Revista de Saúde Pública

versão impressa ISSN 0034-8910versão On-line ISSN 1518-8787

Resumo

MASSAD, Eduardo; BURATTINI, Marcelo Nascimento; COUTINHO, Francisco Antonio Bezerra  e  LOPEZ, Luiz Fernandes. Dengue e risco da reintrodução da febre amarela urbana no Estado de São Paulo. Rev. Saúde Pública [online]. 2003, vol.37, n.4, pp.477-484. ISSN 0034-8910.  https://doi.org/10.1590/S0034-89102003000400013.

OBJETIVO: Propor um modelo matemático para a estimativa da reprodutibilidade basal, R0, para a febre amarela urbana em uma área infestada pela dengue. MÉTODOS: O método utilizado considera que, como ambas as doenças são transmitidas pelo mesmo vetor (Aedes aegypti), poder-se-ia aplicar todos os parâmetros quantitativos relativos ao mosquito, estimados pela fase inicial da curva de crescimento de casos de dengue, à dinâmica da febre amarela. Demonstra-se que o R0 da febre amarela é em média 43% menor que o da dengue. Esta diferença deve-se à viremia mais prolongada da dengue, bem como ao menor período de incubação extrínseco daquele vírus no mosquito. RESULTADOS: Apresenta-se a aplicação desta análise matemática à situação epidemiológica da dengue no estado de São Paulo, para o ano de 2001, onde o número de casos de dengue aumentou de 3.582, em 2000 para 51.348, em 2001. Calculou-se o valor de R0 para a febre amarela para cada cidade do estado que tinha R0 para dengue maior que um. Estimou-se o número total de pessoas desprotegidas, sem vacina, e que vivem em áreas de alto risco para a febre amarela urbana. CONCLUSÕES: Foi demonstrado que existe, um grande contingente de pessoas não vacinadas contra febre amarela vivendo em áreas infestadas por Aedes aegypti no Estado de São Paulo, até aquela data (2001).

Palavras-chave : Febre amarela [epidemiologia]; Dengue [epidemiologia]; Modelos matemáticos; Surtos de doenças; Aedes; Vacina contra febre amarela.

        · resumo em Inglês     · texto em Inglês     · Inglês ( pdf )

 

Creative Commons License Todo o conteúdo deste periódico, exceto onde está identificado, está licenciado sob uma Licença Creative Commons