SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.47 issue2Aerosols from biomass burning and respiratory diseases in children, Manaus, Northern BrazilEvaluation of project promoting health in adolescents author indexsubject indexarticles search
Home Pagealphabetic serial listing  

Services on Demand

Journal

Article

Indicators

Related links

Share


Revista de Saúde Pública

Print version ISSN 0034-8910

Abstract

DE QUEIROZ, Daiane et al. Deficiência de vitamina A e fatores associados em crianças de áreas urbanas. Rev. Saúde Pública [online]. 2013, vol.47, n.2, pp.248-256. ISSN 0034-8910.  http://dx.doi.org/10.1590/S0034-8910.2013047002906.

OBJETIVO:

Analisar a prevalência da deficiência de vitamina A em crianças e os fatores associados.

MÉTODOS:

Estudo de corte transversal de base populacional realizado com 1.211 crianças de seis a 59 meses de idade, de ambos os sexos, procedentes da área urbana de nove cidades do estado da Paraíba, Brasil. O estado nutricional de vitamina A foi avaliado pelas concentrações séricas de retinol e presença de infecção subclínica avaliada pelas concentrações de proteína C-reativa. Foram investigadas as condições socioeconômicas, demográficas, de saneamento, além da suplementação prévia com vitamina A. Foram consideradas com deficiência de vitamina A as crianças com concentrações de retinol sérico < 0,70 µmol/L. Níveis séricos de vitamina A < 0,70 µmol/L com prevalência ≥ 20% foram considerados como grave problema de saúde pública. Análises uni e multivaridas foram conduzidas para testar associações estatísticas (p < 0,05).

RESULTADOS:

A prevalência de deficiência de vitamina A foi de 21,8% (IC95% 19,6;24,2), mostrando associação com a presença de infecção subclínica e ausência de água no domicílio. A prevalência de deficiência de vitamina A foi de 21,8% (IC95% 19,6;24,2). Após ajuste para confundimento, a deficiência de vitamina A mostrou-se associada com a presença de infecção subclínica e com a ausência de água no domicílio. A ocorrência da deficiência de vitamina A foi quatro vezes maior (IC95% 1,49;10,16) em crianças com infecção subclínica e sem água no domicilio, comparativamente às crianças sem infecção e com água no domicílio.

CONCLUSÕES:

Apesar das ações de prevenção e controle da deficiência de vitamina A, a hipovitaminose A ainda configura-se como um problema de saúde pública preocupante entre as crianças menores de cinco anos.

Keywords : Lactente; Pré-Escolar; Deficiência de Vitamina A; epidemiologia; Fatores de Risco; Fatores Socioeconômicos; Estudos Transversais.

        · abstract in English     · text in English | Portuguese     · English ( pdf ) | Portuguese ( pdf )