SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.48 número1Tempo de clampeamento e fatores associados à reserva de ferro de neonatos a termoTranstornos mentais comuns e violência por parceiro íntimo durante a gravidez índice de autoresíndice de assuntospesquisa de artigos
Home Pagelista alfabética de periódicos  

Serviços Personalizados

Journal

Artigo

Indicadores

Links relacionados

Compartilhar


Revista de Saúde Pública

versão impressa ISSN 0034-8910

Resumo

CORREIA, Luciano Lima et al. Prevalência e determinantes da desnutrição infantil no semiárido do Brasil. Rev. Saúde Pública [online]. 2014, vol.48, n.1, pp.19-28. ISSN 0034-8910.  https://doi.org/10.1590/S0034-8910.2014048004828.

OBJETIVO

: Analisar tendências na prevalência e determinantes da desnutrição em crianças na região semiárida do Brasil.

MÉTODOS

: Foram analisados dados de duas pesquisas transversais domiciliares de base populacional que utilizaram a mesma metodologia. A amostragem por conglomerados foi utilizada para coletar os dados de 8.000 famílias, do estado do Ceará, Nordeste do Brasil, para os anos de 1987 e 2007. A desnutrição aguda foi calculada como peso/idade < -2 desvios padrão; nanismo como altura/idade < -2 desvios padrão; e emaciação como peso/altura < -2 desvios padrão. Os dados sobre os determinantes biológicos e sociodemográficos foram analisados por meio de análises multivariadas com base em um modelo teórico hierarquizado.

RESULTADOS

: Amostras de 4.513 e 1.533 crianças menores de três anos de idade, em 1987 e 2007, respectivamente, foram incluídas nas análises. A prevalência de desnutrição aguda foi reduzida em 60,0%, passando de 12,6% em 1987, para 4,7% em 2007, enquanto a prevalência de nanismo foi reduzida em 50,0%, passando de 27,0% em 1987 para 13,0% em 2007. A prevalência de emaciação teve pouca alteração no período. Em 1987, as características socioeconômicas e biológicas (renda familiar, escolaridade da mãe, disponibilidade de latrina e água potável, consulta médica e hospitalização da criança, idade, sexo e peso ao nascer) foram fatores significativamente associados à desnutrição, ao nanismo e à emaciação. Em 2007, os determinantes da desnutrição ficaram restritos às características biológicas (idade, sexo e peso ao nascer). Apenas uma característica socioeconômica, a disponibilidade de latrina, permaneceu significantemente associada ao nanismo.

CONCLUSÕES

: O desenvolvimento socioeconômico, além de intervenções de saúde, parecem ter efetivamente contribuído para a melhoria do estado nutricional das crianças. Peso ao nascer, especialmente o peso extremamente baixo (< 1.500 g), aparece como o fator de risco mais importante para a desnutrição na primeira infância.

Palavras-chave : Saúde da Criança; Desnutrição, etiologia; Epidemiologia nutricional; Epidemiologia, tendências.

        · resumo em Inglês | Espanhol     · texto em Inglês     · Inglês ( pdf )