SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.49Neoplasias múltiplas de pele em indivíduos com menos de 40 anos em Goiânia, BrasilFatores associados ao consumo de suplementos nutricionais por frequentadores de academias índice de autoresíndice de assuntospesquisa de artigos
Home Pagelista alfabética de periódicos  

Serviços Personalizados

Journal

Artigo

Indicadores

Links relacionados

Compartilhar


Revista de Saúde Pública

versão impressa ISSN 0034-8910versão On-line ISSN 1518-8787

Resumo

ALVES, Ronaldo Fernandes Santos  e  FAERSTEIN, Eduardo. Desigualdade educacional na ocorrência de obesidade abdominal: Estudo Pró-Saúde. Rev. Saúde Pública [online]. 2015, vol.49, 65.  Epub 09-Out-2015. ISSN 0034-8910.  https://doi.org/10.1590/S0034-8910.2015049005786.

OBJETIVO

Estimar o grau de desigualdade educacional na ocorrência de obesidade abdominal em população de funcionários técnico-administrativos de universidade.

MÉTODOS

Neste estudo seccional, utilizamos dados de 3.117 participantes de 24 a 65 anos de idade, de ambos os sexos, referentes à linha de base do Estudo Pró-Saúde, 1999-2001. Obesidade abdominal foi definida segundo pontos de corte para circunferência abdominal de 88 cm para mulheres e 102 cm para homens. Questionário multidimensional autopreenchível foi usado para avaliar escolaridade e variáveis demográficas. Na análise dos dados foram utilizados os índices angular e relativo de desigualdade e o teste de Qui-quadrado para tendência linear. Todas as análises foram estratificadas por gênero e os índices de desigualdade padronizados por idade.

RESULTADOS

Prevalência de obesidade abdominal foi maior entre as mulheres (43,5%; IC95% 41,2;45,9), comparado aos homens (24,3%; IC95% 22,1;26,7), em todos os estratos educacionais e faixas etárias. Associação entre escolaridade e obesidade abdominal foi inversa entre as mulheres (p < 0,001) e estatisticamente não significativa entre os homens (p = 0,436). O grau de desigualdade educacional na obesidade abdominal na população feminina em termos absolutos (Índice Angular de Desigualdade) foi 24,0% (IC95% 15,5;32,6), e em termos relativos (Índice Relativo de Desigualdade) foi 2,8 (IC95% 1,9;4,1), após ajuste por idade.

CONCLUSÕES

A desigualdade de gênero na prevalência de obesidade abdominal aumenta com a idade e menor escolaridade. Os índices angular e relativo de desigualdade resumem a tendência estritamente monotônica entre escolaridade e obesidade abdominal, descrevendo a desigualdade educacional na obesidade abdominal entre as mulheres. Tais índices proporcionam estimativas quantitativas relevantes para o monitoramento da obesidade abdominal e enfrentamento das desigualdades em saúde.

Palavras-chave : Obesidade Abdominal, epidemiologia; Fatores Socioeconômicos; Disparidades nos Níveis de Saúde; Gênero e Saúde.

        · resumo em Inglês     · texto em Português | Inglês     · Português ( pdf ) | Inglês ( pdf )