SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.49Content validity and reliability of test of gross motor development in Chilean childrenDeterminants of the use of health care services: multilevel analysis in the Metropolitan Region of Sao Paulo author indexsubject indexarticles search
Home Pagealphabetic serial listing  

Services on Demand

Journal

Article

Indicators

Related links

Share


Revista de Saúde Pública

Print version ISSN 0034-8910On-line version ISSN 1518-8787

Abstract

NOGUEIRA, Laura Maria Vidal; TEIXEIRA, Elizabeth; BASTA, Paulo Cesar  and  MOTTA, Maria Catarina Salvador da. Therapeutic itineraries and explanations for tuberculosis: an indigenous perspective. Rev. Saúde Pública [online]. 2015, vol.49, 96.  Epub Jan 22, 2016. ISSN 0034-8910.  http://dx.doi.org/10.1590/S0034-8910.2015049005904.

OBJETIVO

Analisar explicações sobre adoecimento por tuberculose e itinerários terapêuticos de indígenas brasileiros.

MÉTODOS

Estudo de caso, com abordagem quali-descritiva. Foram realizadas entrevistas semiestruturadas com 11 indígenas Munduruku, incluindo observação direta do tratamento da tuberculose no município de Jacareacanga, região sudoeste do estado do Pará, em 2010. A fim de identificar explicações para tuberculose e itinerários terapêuticos, realizou-se análise de conteúdo temático.

RESULTADOS

A medicina tradicional foi o itinerário terapêutico inicial escolhido pelos indígenas. Entretanto, a biomedicina também foi utilizada, indicando haver circulação entre diferentes contextos terapêuticos e concepções de saúde entre os indígenas Munduruku. As explicações variaram do reconhecimento de sinais e sintomas específicos da tuberculose até o relato de que o espírito sai do corpo, vagando pela floresta e que, quando retorna para o corpo, traz consigo a doença. Ao contrário do modelo biomédico, que vincula a transmissão da tuberculose exclusivamente ao contato interpessoal, em espaços fechados, sem luz natural e sem ventilação (preferencialmente em ambientes domésticos), a perspectiva Munduruku associa a doença ao contato indireto entre pessoas socialmente distantes (inimigos ou adversários) em locais públicos e abertos.

CONCLUSÕES

As explicações formuladas pelos indígenas são singulares e merecem a atenção dos formuladores de políticas de saúde, assim como das equipes que atuam nas aldeias. Para garantir controle eficaz da tuberculose nessas localidades, é necessário que as ações desenvolvidas integrem conhecimentos da biomedicina e da medicina tradicional indígena, além de respeitar e acolher as manifestações da cultura local.

Keywords : Tuberculose; População Indígena; Medicina Tradicional; Serviços de Saúde do Indígena; Conhecimentos, Atitudes e Prática em Saúde; Pesquisa Qualitativa.

        · abstract in English     · text in English     · English ( pdf )