SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.27 issue3A clinical epidemiologic study in a schistosomiasis mansoni endemic area (Tuparecê, Minas Gerais)Efficacy of albendazole in the treatment of enterobiasis author indexsubject indexarticles search
Home Pagealphabetic serial listing  

Revista do Instituto de Medicina Tropical de São Paulo

Print version ISSN 0036-4665

Abstract

CARVALHO, Silvino Alves de et al. Neurotoxicidade do oxamniquine no tratamento da infecção humana pelo Schistosoma mansoni. Rev. Inst. Med. trop. S. Paulo [online]. 1985, vol.27, n.3, pp. 132-142. ISSN 0036-4665.  http://dx.doi.org/10.1590/S0036-46651985000300004.

Foram tratados com oxamniquine (dose oral única de 12,5 a 15 mg e 15 a 20 mg/kg de peso, para maiores e menores de 15 anos respectivamente) 180 indivíduos com esquistossomose mansoni, matriculados na Clínica de Doenças Infecciosas e Parasitárias do Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo. As idades variaram de 5 a 65 anos e as formas clínico-evolutivas prevalentes foram a intestinal e hepatointestinal. Os principais efeitos colaterais neuropsiquiátricos foram: sonolência (50,6%), tontura (41,1%), cefaléia (16,1%), amnésia transitória (2,2%), alterações de comportamento (1,7%), tremores (1,1%) e convulsão (1,1%). Em 20 indivíduos foi avaliada a neurotoxicidade da droga através de eletroencefalografia, antes e após o tratamento. Em 3 (15%), foram detectados alterações no traçado, sem contudo apresentarem manifestações clínicas neuropsiquiátricas. Os resultados demonstram ser o oxamniquine determinante de efeitos tóxico-colaterais na esfera neuropsiquiátrica.

        · abstract in English     · text in Portuguese     · pdf in Portuguese