SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.33 issue4E.L.I.S.A. in human coccidioidomycosisRepopulation of breeding habitats of Biomphalaria glabrata after treatment with niclosamide author indexsubject indexarticles search
Home Pagealphabetic serial listing  

Revista do Instituto de Medicina Tropical de São Paulo

Print version ISSN 0036-4665

Abstract

NASCIMENTO, Jussara P. et al. Estudo longitudinal sobre doença repiratória aguda no Rio de Janeiro: ocorrência de vírus respiratório durante quatro anos consecutivos. Rev. Inst. Med. trop. S. Paulo [online]. 1991, vol.33, n.4, pp. 287-296. ISSN 0036-4665.  http://dx.doi.org/10.1590/S0036-46651991000400008.

Investigamos, durante um período de 4 anos (1982 a 1985), a ocorrência de vírus em secreções de nasofaringe coletadas de crianças com menos de 5 anos de idade apresentando quadro clínico de infecção respiratória aguda (IRA), residentes na cidade do Rio de Janeiro. Foram encontrados todos os vírus conhecidos como associados a IRA, com excessão do vírus influenza C e parainfluenza 1, 2 e 4. Vírus foram isolados mais freqüentemente de crianças internadas em salas de emergência e enfermarias que daquelas atendidas em ambulatório. Este fato está claramente relacionado com a alta inciência do vírus sincicial respiratório (RSV) nos casos mais severos de IRA. Espécimens positivos para RSV aparecem principalmente durante o outono, nos 4 anos consecutivos, indicando uma ocorrência sazonal. As salas de emergências são a melhor fonte de dados para vigilância do RSV, onde um aumento no número de casos positivos corresponde a um aumento no número total de casos de IRA internados. Os adenovírus ocupam o segundo lugar entre os vírus freqüentemente isolados, sendo predominante os sorotipos 1, 2 e 7. Embora em menor número os vírus influenza e parainfluenza tipo 3 também são encontrados. Vírus influenza A foram isolados igualmente em crianças internadas em enfermarias, salas de emergência e nos pacientes atendidos em ambulatórios, enquanto o vírus influenza B é predominante neste último grupo. O vírus parainfluenza tipo 3 causou surtos anuais na população residente na favela durante o final do inverno ou primavera e foi isolado principalmente das crianças atendidas no ambulatório. Herpesvírus, enterovírus e rinovírus foram encontrados com menor freqüência. Dos vírus isolados somente o RSV e o parainfluenza tipo 3 mostraram uma incidência sazonal bem definida.

Keywords : Respiratory syncytial virus; Adenovirus; Influenza virus; Parainfluenza virus; Enterovirus; Epidemiology.

        · abstract in English     · text in English     · pdf in English