SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.34 issue5Evaluation of specific gravity of Giardia duodenalis and E. coli cystsPossible risk factors for vertical transmission of Chagas' disease author indexsubject indexarticles search
Home Pagealphabetic serial listing  

Revista do Instituto de Medicina Tropical de São Paulo

Print version ISSN 0036-4665

Abstract

LIMA, Laïs Clark et al. Suscetibilidade de planorbídeos da região metropolitana de Belo Horizonte, MG (Brasil) ao Angiostrongylus costaricensis (Nematoda, Angiostrongylidae. Rev. Inst. Med. trop. S. Paulo [online]. 1992, vol.34, n.5, pp. 399-402. ISSN 0036-4665.  http://dx.doi.org/10.1590/S0036-46651992000500005.

Lotes de Biomphalaria glabrata (controle), B. tenagophila e B. straminea (com respectivamente 139, 77 e 149 exemplares) criados em laboratório a partir de espécimes coletados na região metropolitana de Belo Horizonte, MG (Brasil), foram infectados experimentalmente com larvas L1 de Angiostrongylus costaricensis. Decorridos aproximadamente 25 dias, os moluscos foram digeridos individual e artificialmente para exame. De 87 B. glabrata examinadas, 62 (71,3%) estavam positivas e apresentaram de uma a 61 larvas L3; de 42 B. tenagophila, 21 (50,0%) possuíam de uma a cinco L3; e de 89 B. straminea, 69 (77,5%), de uma a 72 L3. As três espécies de planorbídeos mostraram-se suscetíveis à infecção pelo A. costaricensis, sendo a B. glabrata e a B. straminea as mais eficientes para manutenção do ciclo do nematódeo em laboratório.

Keywords : Angiostrongylus costaricensis; Biomphalaria glabrata; B. tenagophila; B. straminea; Suscetibilidade.

        · abstract in English     · text in Portuguese     · pdf in Portuguese