SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.50 número1Comparação entre imunofluorescência direta, cultura convencional de células e reação em cadeia de polimerase para detectar vírus respiratório sincicial em lavados de nasofaringe de criançasParacoccidioidomicose: lesões cutâneas, infiltrativas, sarcoidose-símile, diagnosticadas como hanseníase tuberculóide índice de autoresíndice de assuntospesquisa de artigos
Home Pagelista alfabética de periódicos  

Serviços Personalizados

Journal

Artigo

Indicadores

Links relacionados

Compartilhar


Revista do Instituto de Medicina Tropical de São Paulo

versão On-line ISSN 1678-9946

Resumo

MANCINI, Dalva Assunção Portari et al. Vírus influenza e bactéria proteolítica co-infectantes em trato respiratório de indivíduos com manifestações respiratórias. Rev. Inst. Med. trop. S. Paulo [online]. 2008, vol.50, n.1, pp.41-46. ISSN 1678-9946.  http://dx.doi.org/10.1590/S0036-46652008000100009.

O papel da bactéria proteolítica na exacerbação do vírus influenza tem sido demonstrado em hospedeiros naturais como porcos e humanos. Foram coletadas 407 amostras do trato respiratório de indivíduos apresentando manifestações clínicas, durante a estação da influenza (2003-2005) na cidade de São Paulo. Este trabalho teve como objetivo avaliar a incidência de determinadas bactérias que junto com vírus co-infectarem o trato respiratório humano. Testes bacteriológicos, e virológicos como imunofluorescência (IF), RT/PCR e hemaglutinação (HA) foram usados nas investigações viral e bacteriana. Pelo teste de IF foram selecionadas trinta e sete (9,09%) amostras positivas para o vírus influenza. A presença do vírus influenza foi confirmada pela técnica de RT/PCR. Pelos testes bacteriológicos e do agar caseina, verificou-se que 18 (48,64%) dos indivíduos foram infectados com bactérias proteolíticas tais como Staphylococcus spp., Streptococcus spp. e Pseudomonas spp. Destas amostras, 13 (35,13%) foram co-infectadas com vírus influenza tipo A, e 5 (13,51%) com influenza tipo B. No experimento in vitro com influenza e S. aureus, detectou-se aumento do título hemaglutinante deste vírus, após contacto de 30 min a 25 ºC. Os resultados obtidos revelaram a ocorrência de co-infecção com bactéria proteolítica e vírus influenza nos indivíduos avaliados. Estes achados corroboram com a investigação do sinergismo, entre bactéria e vírus, que poderia ser capaz de potencializar infecção respiratória, aumentando os riscos aos hospedeiros.

Palavras-chave : Influenza; Proteolytic bacteria; Co-infection; Respiratory tract.

        · resumo em Inglês     · texto em Inglês     · Inglês ( pdf epdf )

 

Creative Commons License Todo o conteúdo deste periódico, exceto onde está identificado, está licenciado sob uma Licença Creative Commons