SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.39 número6Association of ants (Hymenoptera: Formicidae) with bacteria in hospitals in the State of Santa Catarina índice de autoresíndice de materiabúsqueda de artículos
Home Pagelista alfabética de revistas  

Revista da Sociedade Brasileira de Medicina Tropical

versión impresa ISSN 0037-8682

Resumen

BRAGA, Wornei Silva Miranda et al. Baixa prevalência do vírus da hepatite B, vírus da hepatite D e vírus da hepatite C entre pacientes com o vírus da imunodeficiência humana ou síndrome da imunodeficiência adquirida na Amazônia Brasileira. Rev. Soc. Bras. Med. Trop. [online]. 2006, vol.39, n.6, pp. 519-522. ISSN 0037-8682.  http://dx.doi.org/10.1590/S0037-86822006000600001.

Co-morbidades na infecção pelo vírus da imunodeficiência humana são de grande interesse devido à associação com desfechos desfavoráveis e falhas na terapia anti-retroviral. Este estudo avalia a prevalência de co-infecção entre o vírus da imunodeficiência humana e hepatites virais, em uma área endêmica de hepatite B, na Amazônia Ocidental. Marcadores sorológicos para o Vírus da hepatite B, Vírus da hepatite C e vírus da hepatite D foram testados em uma amostra de pacientes referenciado para o tratamento em ambulatório para pacientes com infecção pelo vírus da imunodeficiência humana ou síndrome da imunodeficiência adquirida. As variáveis: sexo, idade, origem e categoria de exposição, foram obtidas dos prontuários médicos e do banco de dados da Coordenação Estadual de Doenças sexualmente transmissíveis. Entre os 704 indivíduos incluídos, a prevalência de portador crônico do vírus da hepatite B foi 6,4% e de infecção passada 40,2%. O vírus da hepatite B esteve associado com o local de nascimento em áreas hiperendêmicas da Amazônia, sexo masculino e uso de drogas ilícitas. A prevalência de hepatite C foi 5%, estando associada com uso de drogas ilícitas. A prevalência dos vírus da hepatite B e C, entre indivíduos vivendo com o vírus da imunodeficiência humana e síndrome da imunodeficiência adquirida, na Amazônia ocidental, foi mais baixa que as observadas em estudos com populações de outras regiões. Provavelmente, estes resultados estão associados à epidemiologia local destes vírus, e ao grau de superposição dos fatores de risco associados à infecção na população estudada. O estudo apresenta oportunidade de avaliar a prevenção da hepatite C e B, através de medidas de redução de danos e programa de vacinação em indivíduos vivendo com vírus da imunodeficiência humana e síndrome da imunodeficiência adquirida.

Palabras llave : HIV-1; Amazônia; Co-infecção; Hepatites virais.

        · resumen en Inglés     · texto en Inglés     · pdf en Inglés