SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.44 issue3Comparison of the performance of polymerase chain reaction and pp65 antigenemia for the detection of human cytomegalovirus in immunosuppressed patientsDynamic behavior of sylvatic yellow fever in Brazil (1954-2008) author indexsubject indexarticles search
Home Pagealphabetic serial listing  

Revista da Sociedade Brasileira de Medicina Tropical

Print version ISSN 0037-8682

Abstract

MORENO, Eduardo Stramandinoli  and  YELLOW FEVER WORKING GROUP et al. Reemergência de febre amarela: detecção de transmissão no Estado de São Paulo, Brasil, 2008. Rev. Soc. Bras. Med. Trop. [online]. 2011, vol.44, n.3, pp. 290-296.  Epub July 01, 2011. ISSN 0037-8682.  http://dx.doi.org/10.1590/S0037-86822011005000041.

INTRODUÇÃO: A partir do isolamento do vírus febre amarela (VFA), de macacos, da região de São José do Rio Preto e de dois casos humanos autóctones fatais, da região de Ribeirão Preto, Estado de São Paulo, foram realizadas duas expedições para pesquisa entomológica e avaliação ecoepidemiológica. MÉTODOS: Um total de 577 amostras de humanos, 108 de macacos e 3.049 mosquitos foram analisados por um ou mais métodos: isolamento viral, ELISA-IgM, RT-PCR, histopatologia e imunohistoquímica. RESULTADOS: De 577 amostras humanas, 531 foram testadas por ELISA-IgM, sendo 3 positivas, 235 foram inoculadas em camundongos, 199 em cultura de células, obtendo-se 1 isolamento viral. Uma amostra foi positiva por histopatologia e imunohistoquímica. Por RT-PCR foram processadas 25 amostras com 4 reações positivas. Os 108 espécimes de macacos foram inoculados em camundongos, 45 em cultura de células, obtendo-se 4 isolamentos de VFA, de Alouatta caraya. Um total de 931 mosquitos foram capturados em São José do Rio Preto e 2.118 em Ribeirão Preto e separados em lotes. Um único isolamento de VFA foi derivado de um lote de 9 mosquitos Psorophora ferox, coletados em Urupês, região de Ribeirão Preto. Um inquérito sorológico foi realizado com 128 amostras dos municípios de São Carlos, Rincão e Ribeirão Preto e mais 10 amostras de contactantes de pacientes de Ribeirão Preto. Todas as amostras foram negativas por ELISA-IgM para VFA. CONCLUSÕES: Os resultados confirmam a circulação, mesmo que esporádica, do VFA no Estado de São Paulo e reforça a importância da vacinação antiamarílica nas áreas consideradas de risco.

Keywords : Febre amarela; Flavivírus; Epizotias; Vigilância entomológica.

        · abstract in English     · text in English     · pdf in English