SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.44 issue3Diagnosis of human herpesvirus 6B primary infection by polymerase chain reaction in young children with exanthematic diseaseStudy of infection by Rickettsiae of the spotted fever group in humans and ticks in an urban park located in the City of Londrina, State of Paraná, Brazil author indexsubject indexarticles search
Home Pagealphabetic serial listing  

Revista da Sociedade Brasileira de Medicina Tropical

Print version ISSN 0037-8682

Abstract

GOUD, Rajendra et al. Prevalência de Staphylococcus aureus resistente à meticilina e à vancomicina em comunidade no entorno de Bangalore, Índia do Sul. Rev. Soc. Bras. Med. Trop. [online]. 2011, vol.44, n.3, pp. 309-312.  Epub June 10, 2011. ISSN 0037-8682.  http://dx.doi.org/10.1590/S0037-86822011005000035.

INTRODUÇÃO: O Staphylococcus aureus é conhecido por ser um colonizador em humanos sendo implicado em infecções comunitárias dos tecidos moles. Contudo, a resistência à meticilina e emergência de S. aureus meticilina resistentes (MRSA) têm despertado preocupação em todo o mundo. O presente estudo visa encontrar a prevalência de MRSA na comunidade de Bangalore, sul da Índia. MÉTODOS: Suabes foram coletados de narinas anteriores, antebraço e dorso da palma de 1.000 indivíduos saudáveis, residentes em Bangalore e nas proximidades, pertencentes a diferentes estratos socioeconômicos e faixas etárias. RESULTADOS: Observou-se que 22,5% e 16,6% dos indivíduos foram abrigar Staphylococcus aureus e MRSA, respectivamente, em qualquer um dos três locais. Dos S. aureus isolados, 1,4% também foram resistentes à vancomicina, o que foi confirmado pela detecção do gene vanA. Foi interessante notar que 58,8% das crianças na faixa etária de 1-5 anos foram abrigar MRSA, o mais elevado em comparação com outros grupos etários de < 1 (44,4%) ano, 50-20 (21,7%) anos, > 40 (11%) anos e 20-40 (9,9%) anos. Entre a população de diferentes estratos socioeconômicos, a colonização de MRSA máxima foi observada entre os médicos (22,2%), seguida pela classe econômica superior (18,8%), classe baixa (17,7%), pacientes aparentemente saudáveis (16,5%), enfermeiros (16%) e classe econômica média (12,5%). A maioria dos MRSA isolados eram do tipo polissacarídeo capsular antígeno 8 (57,1%). CONCLUSÕES: Há uma necessidade de vigilância e monitorização contínua da presença de MRSA na comunidade, bem como uma melhor compreensão da dinâmica de propagação de MRSA pode ajudar no controle da disseminação.

Keywords : Staphylococcus aureus; Resistência à meticilina; Resistência à vancomicina; População saudável; Colonização.

        · abstract in English     · text in English     · pdf in English