SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.44 issue3Study of infection by Rickettsiae of the spotted fever group in humans and ticks in an urban park located in the City of Londrina, State of Paraná, BrazilPrevalence of cholelithiasis in patients with chagasic megaesophagus author indexsubject indexarticles search
Home Pagealphabetic serial listing  

Revista da Sociedade Brasileira de Medicina Tropical

Print version ISSN 0037-8682

Abstract

BRAZ, Suellen Carvalho de Moura et al. Doença de Chagas no Estado de Pernambuco, Brasil: análise de séries históricas das internações e da mortalidade. Rev. Soc. Bras. Med. Trop. [online]. 2011, vol.44, n.3, pp. 318-323.  Epub July 01, 2011. ISSN 0037-8682.  http://dx.doi.org/10.1590/S0037-86822011005000038.

INTRODUÇÃO: Foi realizado estudo de séries históricas de internações, óbitos e casos agudos por doenças de Chagas objetivando avaliar o contexto desta enfermidade em Pernambuco. MÉTODOS: Foram coletados dados notificados de 1980 a 2008 ao Departamento de Informática do Sistema Único de Saúde (DATASUS/MS) para regiões e unidades federativas do Brasil, microrregiões e municípios pernambucanos. As taxas (por 100.000 habitantes) de internações, mortalidade e casos agudos foram obtidas por consulta ao Sistema de Informações Hospitalares (SIH), Sistema de Informação sobre Mortalidade (SIM) e Sistema de Informações de Agravos de Notificação (SINAN), respectivamente. RESULTADOS: A média de internações nacional por doença de Chagas ficou em 0,99 no período de 1995 a 2008. Pernambuco, neste intervalo, apresentou média de 0,39, com as maiores taxas concentradas no interior do estado. Este estado obteve média de óbitos 1,56 entre 1980 e 2007, valor inferior a brasileira (3,66). O país demonstrou declínio de óbitos na análise de tendência, com Pernambuco encontrando-se em estado estacionário para esta taxa. Interpolando os dados referentes a internações e óbitos, evidenciou-se mortalidade em valores superiores as taxas de internações nacionais, entre 1995 e 2007. O mesmo fato ocorreu em Pernambuco, exceto em 2003. Entre 2001 e 2006, a taxa de casos agudos foi de 0,56 e 0,21 respectivamente para Brasil e para Pernambuco. CONCLUSÕES: Mesmo o Brasil demonstrando redução na mortalidade, a doença permanece como grave problema de saúde pública, principalmente no nordeste. Desta forma, é fundamental a manutenção e melhoria das ações de atenção médica, controle e prevenção já existentes.

Keywords : Doença de Chagas; Pernambuco; Internações hospitalares; Mortalidade; Casos agudos.

        · abstract in English     · text in English     · pdf in English