SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.44 issue3Chagas disease in the State of Pernambuco, Brazil: analysis of admissions and mortality time seriesUltrastructural study on the morphological changes to male worms of Schistosoma mansoni after in vitro exposure to allicin author indexsubject indexarticles search
Home Pagealphabetic serial listing  

Revista da Sociedade Brasileira de Medicina Tropical

Print version ISSN 0037-8682

Abstract

CREMA, Eduardo et al. Prevalência de colelitíase em pacientes com megaesôfago chagásico. Rev. Soc. Bras. Med. Trop. [online]. 2011, vol.44, n.3, pp. 324-326.  Epub July 01, 2011. ISSN 0037-8682.  http://dx.doi.org/10.1590/S0037-86822011005000043.

INTRODUÇÃO: A prevalência de colelitíase observada na população em geral varia de 9 a 18%. Sabe-se que a prevalência de colelitíase é elevada quando existe lesão nervosa parassimpática das vias biliares, causada tanto por procedimentos cirúrgicos (vagotomias),quanto por destruição neuronal, como observado na forma digestiva da doença de Chagas. Propusemo-nos verificar a associação entre megaesôfago de etiologia chagásica e a presença de colelitíase. MÉTODOS: Avaliou-se prospectivamente o exame ultrassonográfico de 152 pacientes portadores de megaesôfago submetidos à cirurgia de cardiomiotomia e esofagectomia subtotal. Analisou-se comparativamente a esofagopatia chagásica e a idiopática com a presença de colelitíase, correlacionando os dados ultrassonográficos com os achados clínicos, idade, sexo e raça. RESULTADOS: Foram analisados 152 casos de megaesôfago, sendo 137 de etiologia chagásica e 15 idiopáticos. Entre os chagásicos, a idade média foi de 56,7 anos (45-67); e nos idiopáticos, a média de idade foi de 35,6 anos (27-44), verificando-se diferença significativa (p < 0,0001) em relação à média de idade. Dos 137 chagásicos, 78 (56,9%) eram do sexo masculino; entre os 15 idiopáticos, 7 (46,6%) eram do sexo masculino. A comparação entre os grupos em relação ao gênero não mostrou diferença significativa. Dentre os 137 chagásicos detectou-se 39 (28,4%) casos de colelitíase e, dentre os 15 casos de megaesôfago idiopático, constatou-se colelitíase em apenas um (6,6%). CONCLUSÕES: Conclui-se que portadores de megaesôfago chagásico possuem alta prevalência de colelitíase, e que a ultrassonografia deve ser realizada rotineiramente no pré-operatório, a fim de tratar ambas as afecções no mesmo ato cirúrgico.

Keywords : Doença de Chagas; Colelitíase; Megaesôfago; Desnervação da vesícula biliar.

        · abstract in English     · text in English     · pdf in English