SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.44 número3Estudo soroepidemiológico da cisticercose humana com amostras de sangue total coletado em papel filtro, em Lages, Estado de Santa Catarina, 2004-2005Comportamento de formas imaturas de Aedes aegypti, no litoral do Estado de São Paulo índice de autoresíndice de assuntospesquisa de artigos
Home Pagelista alfabética de periódicos  

Serviços Personalizados

Artigo

Indicadores

Links relacionados

  • Não possue artigos similaresSimilares em SciELO

Compartilhar


Revista da Sociedade Brasileira de Medicina Tropical

versão impressa ISSN 0037-8682

Resumo

KOBAYASHI, Cláudia Castelo Branco Artiaga; SADOYAMA, Geraldo; VIEIRA, José Daniel Gonçalves  e  PIMENTA, Fabiana Cristina. Resistência antimicrobiana associada em isolados clínicos de Enterococcus spp. Rev. Soc. Bras. Med. Trop. [online]. 2011, vol.44, n.3, pp. 344-348.  Epub 27-Maio-2011. ISSN 0037-8682.  http://dx.doi.org/10.1590/S0037-86822011005000033.

INTRODUÇÃO: O aumento da prevalência de isolados de enterococos em hospitais, particularmente Enterococcus resistente à vancomicina (VRE), é importante por causa da limitada terapia antimicrobiana efetiva para o tratamento de infecções enterocócicas. MÉTODOS: O presente trabalho apresentou uma investigação retrospectiva de dados de suscetibilidade in vitro quantitativa para uma variedade de antimicrobianos frente aos isolados de Enterococcus spp. e avaliação da associação de resistência entre os agentes antimicrobianos apontados como escolha para o tratamento de infecções causadas por VRE, através do cálculo do risco relativo. RESULTADOS: Dos 156 isolados de enterococos, 40 (25,6%) foram resistentes a três ou mais antimicrobianos, incluindo 7,7% (n = 12/156) resistentes à vancomicina. A associação de resistência elevada foi mais pronunciada entre os isolados de VREs com antimicrobianos alternativos e primários para o tratamento de infecções causadas por estes patógenos, incluindo ampicilina (100%, RR = 7,2), estreptomicina (90,9%, RR = 4,9), rifampicina (91,7%, RR = 3,1) e linezolida (50%, RR = 11,5), apesar da alta taxa de suscetibilidade a esta droga (94,9%). CONCLUSÕES: A resistência associada significativa aos antimicrobianos de primeira escolha e alternativos, usados no tratamento de infecções graves por cepas com o fenótipo VRE e que requerem um regime terapêutico combinado, evidencia alternativas terapêuticas ainda mais limitadas na instituição analisada.

Palavras-chave : Enterococcus spp; Resistência à vancomicina; Resistência antimicrobiana associada.

        · resumo em Inglês     · texto em Português     · pdf em Português