SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.45 issue2High prevalence of HTLV-1 and 2 viruses in pregnant women in São Luis, state of Maranhão, BrazilSeroepidemiological monitoring in sentinel animals and vectors as part of arbovirus surveillance in the state of Mato Grosso do Sul, Brazil author indexsubject indexarticles search
Home Pagealphabetic serial listing  

Services on Demand

Journal

Article

Indicators

Related links

Share


Revista da Sociedade Brasileira de Medicina Tropical

Print version ISSN 0037-8682

Abstract

LIMA, José Rubens Costa et al. Interpretação da presença dos anticorpos IgM e IgG nos testes rápidos para dengue: análise da prevalência dos anticorpos da dengue em Fortaleza, no vigésimo ano da epidemia. Rev. Soc. Bras. Med. Trop. [online]. 2012, vol.45, n.2, pp.163-167. ISSN 0037-8682.  https://doi.org/10.1590/S0037-86822012000200005.

INTRODUÇÃO: O diagnóstico de infecções por dengue e sua diferenciação entre infecções primárias e secundárias são importantes para monitorar a disseminação de epidemias e para identificar riscos de formas graves da doença. A detecção de anticorpos IgM e IgG tem sido o principal mecanismo para o diagnóstico laboratorial. Este estudo visa avaliar a capacidade do teste rápido para dengue para: detectar casos novos da doença, diagnosticar reinfecções e estimar taxas de ataque de epidemias. MÉTODOS: Este trabalho consiste de estudo descritivo, transversal retrospectivo, sobre dengue, que utiliza o banco de dados da Secretaria Municipal de Saúde de Fortaleza. Os resultados de 1.530 amostras testadas entre 2005-2006 foram confrontados com dados de estudos epidemiológicos relativos aos surtos de dengue em 1996, 2003 e 2010. RESULTADOS: o teste foi capaz de confirmar 52% de infecções recentes entre pacientes com suspeitas clínicas de dengue: 40% das infecções foram confirmadas pela banda IgM e 12% de casos extras foram detectados pela banda IgG reagente em amostras IgM nãoreagentes. Resultados IgM reagentes e IgG não-reagentes mostraram que 38% das infecções eram primárias, enquanto resultados IgG reagentes, com ou sem IgM reagente, indicaram que 62% das infecções recentes eram reinfecções. Esta proporção de infecções secundárias permitiu estimar a taxa de ataque como maior ou igual a 62% naquela população amostral. CONCLUSÕES: O teste rápido para dengue apresentou capacidade aumentada para diagnosticar infecções recentes e de caracterizá-las entre infecções primárias e secundárias, permitindo estimar a taxa de ataque mínima para a população amostral de um surto.

Keywords : Dengue; Teste rápido para dengue; Imunocromatografia; Taxa de ataque de epidemias.

        · abstract in English     · text in English     · English ( pdf )

 

Creative Commons License All the contents of this journal, except where otherwise noted, is licensed under a Creative Commons Attribution License