SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.45 issue2Variation in Aedes aegypti (Linnaeus) (Diptera, Culicidae) infestation in artificial containers in Caxias, state of Maranhão, BrazilSuccessful prevention of the transmission of vancomycin-resistant enterococci in a Brazilian public teaching hospital author indexsubject indexarticles search
Home Pagealphabetic serial listing  

Services on Demand

Journal

Article

Indicators

Related links

Share


Revista da Sociedade Brasileira de Medicina Tropical

Print version ISSN 0037-8682

Abstract

CABRAL, Claudius Couto et al. Circulação do vírus da raiva em morcegos não-hematófagos na cidade do Rio de Janeiro no período entre 2001-2010. Rev. Soc. Bras. Med. Trop. [online]. 2012, vol.45, n.2, pp.180-183. ISSN 0037-8682.  https://doi.org/10.1590/S0037-86822012000200008.

INTRODUÇÃO: A raiva é uma das mais letais zoonoses conhecidas, responsável pelo óbito de 55 mil pessoas anualmente. É transmitida ao homem principalmente pela mordida de animais, domésticos ou silvestres, infectados pelo vírus. O presente estudo mostra a circulação deste agente em morcegos não-hematófagos no município do Rio de Janeiro, Brasil. MÉTODOS: Na Seção de Virologia do Instituto Municipal de Medicina Veterinária Jorge Vaitsman, foi realizado um levantamento do número de morcegos recebidos positivos para o diagnóstico. Os animais positivos foram identificados, e o vírus isolado foi submetido à tipificação de variantes antigênicas pela técnica de imunofluorescência indireta, com os resultados comparados com o painel antigênico utilizado pelo Centro de Controle de Doenças (Center of Disease Control -CDC). RESULTADOS: Entre 2001-2010, o laboratório recebeu 555 morcegos nãohematófagos para o diagnóstico da raiva, sendo 135 (35,5%) do município do Rio de Janeiro. Um total de 11 (5,5%) animais foram positivos para a doença. A tipificação antigênica revelou a predominância da variante 3, com nove (81,9%) vírus isolados, um pertencente a variante 4 e outro de uma variante que segrega com a presente em morcegos insetívoros. CONCLUSÕES: Os dados observados no presente estudo demonstraram a presença do vírus da raiva em populações sinantrópicas de morcegos não-hematófagos no município do Rio de Janeiro. A circulação deste agente nesses animais representa um grave risco a saúde humana e animal, e requer atenção e medidas de controle e prevenção por parte das autoridades competentes.

Keywords : Vírus da raiva; Rio de Janeiro; Morcegos não-hematófagos.

        · abstract in English     · text in English     · English ( pdf )

 

Creative Commons License All the contents of this journal, except where otherwise noted, is licensed under a Creative Commons Attribution License