SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.45 issue2Circulation of the rabies virus in non-hematophagous bats in the city of Rio de Janeiro, Brazil, during 2001-2010Methicillin-resistant Staphylococcus aureus bloodstream infection: risk factors and clinical outcome in non-intensive-care units author indexsubject indexarticles search
Home Pagealphabetic serial listing  

Services on Demand

Journal

Article

Indicators

Related links

Share


Revista da Sociedade Brasileira de Medicina Tropical

Print version ISSN 0037-8682

Abstract

ROSSINI, Flávia Alves Ferreira et al. Sucesso no controle da transmissão hospitalar de Enterococos resistentes a vancomicina em um hospital universitário público brasileiro. Rev. Soc. Bras. Med. Trop. [online]. 2012, vol.45, n.2, pp.184-188. ISSN 0037-8682.  https://doi.org/10.1590/S0037-86822012000200009.

INTRODUÇÃO: Enterococos resistentes a vancomicina (ERV) podem colonizar e causar infecção em pacientes de alto risco, bem como contaminar o ambiente. Nosso objetivo foi descrever a investigação epidemiológica de um surto de ERV, as intervenções realizadas e o impacto no controle do surto. MÉTODOS: Estudo retrospectivo, descritivo, por revisão de prontuários de pacientes com cultura positiva para ERV em um hospital geral, público, universitário, admitidos entre fevereiro de 2008 e janeiro de 2009. As intervenções foram divididas em ações educacionais, revisão de processos de trabalho, medidas administrativas e de engenharia. RESULTADOS: Foram avaliados 150 pacientes, 139 (92,7%) colonizados e 11 (7,3%) infectados por ERV. Setenta e três por cento estavam internados em unidades de cuidados não intensivos (p=0,028). Infecção por ERV foi mais frequente em pacientes usando cateter venoso central (p=0,043), ventilação mecânica (p=0,013), cateter urinário (p=0,049) ou drenos cirúrgicos (p=0,049). Vancomicina, metronidazol, ciprofloxacina ou cefalosporina de terceira geração foram utilizados previamente por 47 (31,3%), 31 (20,7%), 24 (16%) e 24 (16%) pacientes, respectivamente. Óbito foi mais frequente em pacientes infectados por ERV (73%) em relação aos colonizados (17%) (p<0,001). Após as intervenções, a taxa de ataque diminuiu de 1,49 para 0,33 (p<0,001). CONCLUSÕES: Fatores de risco clássicos para colonização ou infecção por ERV, como internação em unidade de terapia intensiva e uso prévio de vancomicina, não foram identificados neste estudo. Um conjunto de intervenções, tais como programa educacional, maior adesão às precauções de contato e reforço da limpeza ambiental apresentou impacto no controle da disseminação hospitalar do ERV.

Keywords : Enterococcus; Resistência à vancomicina; Surtos; Epidemiologia; Controle de infecção.

        · abstract in English     · text in English     · English ( pdf )

 

Creative Commons License All the contents of this journal, except where otherwise noted, is licensed under a Creative Commons Attribution License