SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.45 número3Evidence of a higher prevalence of HPV infection in HTLV-1-infected women: a cross-sectional studyAnalysis of sandflies (Diptera: Psychodidae) in Barra do Garças, State of Mato Grosso, Brazil, and the influence of environmental variables on the vector density of Lutzomyia longipalpis (Lutz & Neiva, 1912) índice de autoresíndice de materiabúsqueda de artículos
Home Pagelista alfabética de revistas  

Revista da Sociedade Brasileira de Medicina Tropical

versión impresa ISSN 0037-8682

Resumen

ADRY, Rodrigo Antonio Rocha da Cruz; LINS, Catarina Cöuras; KRUSCHEWSKY, Ramon de Almeida  y  CASTRO FILHO, Bernardo Galvão. Comparação entre a escala para paraplegia espástica, escala de Kurtzke e escala de Osame, na paraparesia epástica tropical/mielopatia associada ao HTLV. Rev. Soc. Bras. Med. Trop. [online]. 2012, vol.45, n.3, pp. 309-312. ISSN 0037-8682.  http://dx.doi.org/10.1590/S0037-86822012000300006.

INTRODUÇÃO:O objetivo deste estudo foi comparar a escala de incapacidade motora de Osame e a escala expandida do estado de incapacidade de Kurtzke com a escala para avaliação da paraplegia espástica com o objetivo de avaliar a clinica dos pacientes com mielopatia associada a HTLV-I/paraparesia espastica tropical (PET/MAH). MÉTODOS: Foram incluídos pacientes com diagnóstico de infecção pelo HTLV-I/HTLV-II e a suspeita clinica de PET/MAH. RESULTADOS: Foram avaliados 45 pacientes. Ao analisar os resultados das escalas encontramos as seguintes médias de 21,08 pontos para a escala para paraplegia espástica, 4,35 pontos para a escala de Osame e 4,77 pontos para a de Kurtze. A relação entre a escala de paraplegia com a de Osame foi muito significativa com p < 0.0001, e com relação a escala de Kurtze obteve resultado semelhante com p < 0.0001, também significante. Comparando-se as escalas de Osame, Kurztze e escala para avaliação da paraplegia espástica com o tempo de doença obtivemos um resultado significante com p=0,0004, para a escala de paraplegia espastica, p = 0,0018 para a escala de Osame e p < 0,0001 para a escala de Kurtzke. CONCLUSÕES: A escala da paraplegia espástica possui boa relação com as escalas de Osame e Kurzte, mostrando um p muito significativo, indicando que apesar da escala não ter sido feita inicialmente para ser aplicada aos pacientes com PET/MAH devido à infecção pelo HLTV, ela se mostrou capaz de ser tão eficiente quanto às escalas de Osame e Kurtzke para avaliar o quadro neurológico dos pacientes.

Palabras llave : HTLV; HAM/TSP; Osame; Kurzte; Espasticidade; Escala.

        · resumen en Inglés     · texto en Inglés     · pdf en Inglés