SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.45 número3Evidence of a higher prevalence of HPV infection in HTLV-1-infected women: a cross-sectional studyAnalysis of sandflies (Diptera: Psychodidae) in Barra do Garças, State of Mato Grosso, Brazil, and the influence of environmental variables on the vector density of Lutzomyia longipalpis (Lutz & Neiva, 1912) índice de autoresíndice de materiabúsqueda de artículos
Home Pagelista alfabética de revistas  

Servicios Personalizados

Revista

Articulo

Indicadores

Links relacionados

Compartir


Revista da Sociedade Brasileira de Medicina Tropical

versión impresa ISSN 0037-8682

Resumen

ADRY, Rodrigo Antonio Rocha da Cruz; LINS, Catarina Cöuras; KRUSCHEWSKY, Ramon de Almeida  y  CASTRO FILHO, Bernardo Galvão. Comparação entre a escala para paraplegia espástica, escala de Kurtzke e escala de Osame, na paraparesia epástica tropical/mielopatia associada ao HTLV. Rev. Soc. Bras. Med. Trop. [online]. 2012, vol.45, n.3, pp.309-312. ISSN 0037-8682.  http://dx.doi.org/10.1590/S0037-86822012000300006.

INTRODUÇÃO:O objetivo deste estudo foi comparar a escala de incapacidade motora de Osame e a escala expandida do estado de incapacidade de Kurtzke com a escala para avaliação da paraplegia espástica com o objetivo de avaliar a clinica dos pacientes com mielopatia associada a HTLV-I/paraparesia espastica tropical (PET/MAH). MÉTODOS: Foram incluídos pacientes com diagnóstico de infecção pelo HTLV-I/HTLV-II e a suspeita clinica de PET/MAH. RESULTADOS: Foram avaliados 45 pacientes. Ao analisar os resultados das escalas encontramos as seguintes médias de 21,08 pontos para a escala para paraplegia espástica, 4,35 pontos para a escala de Osame e 4,77 pontos para a de Kurtze. A relação entre a escala de paraplegia com a de Osame foi muito significativa com p < 0.0001, e com relação a escala de Kurtze obteve resultado semelhante com p < 0.0001, também significante. Comparando-se as escalas de Osame, Kurztze e escala para avaliação da paraplegia espástica com o tempo de doença obtivemos um resultado significante com p=0,0004, para a escala de paraplegia espastica, p = 0,0018 para a escala de Osame e p < 0,0001 para a escala de Kurtzke. CONCLUSÕES: A escala da paraplegia espástica possui boa relação com as escalas de Osame e Kurzte, mostrando um p muito significativo, indicando que apesar da escala não ter sido feita inicialmente para ser aplicada aos pacientes com PET/MAH devido à infecção pelo HLTV, ela se mostrou capaz de ser tão eficiente quanto às escalas de Osame e Kurtzke para avaliar o quadro neurológico dos pacientes.

Palabras clave : HTLV; HAM/TSP; Osame; Kurzte; Espasticidade; Escala.

        · resumen en Inglés     · texto en Inglés     · Inglés ( pdf epdf )

 

Creative Commons License Todo el contenido de esta revista, excepto dónde está identificado, está bajo una Licencia Creative Commons