SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.45 número3Epidemiological profile of meningococcal disease in the State of Minas Gerais and in the Central, North, and Triângulo Mineiro regions, Brazil, during 2000-2009Seroepidemiology of Trypanosoma cruzi infection in the semiarid rural zone of the State of Rio Grande do Norte, Brazil índice de autoresíndice de materiabúsqueda de artículos
Home Pagelista alfabética de revistas  

Revista da Sociedade Brasileira de Medicina Tropical

versión impresa ISSN 0037-8682

Resumen

SILVA JUNIOR, Otaviano da et al. Evolução funcional e morfológica cardíaca um ano após o implante de marcapasso definitivo na posição ventricular direita septal em pacientes chagásicos. Rev. Soc. Bras. Med. Trop. [online]. 2012, vol.45, n.3, pp. 340-345. ISSN 0037-8682.  http://dx.doi.org/10.1590/S0037-86822012000300012.

INTRODUÇÃO:A posição septal representa um sítio alternativo de estimulação cardíaca artificial (ECA) potencialmente menos deletério para a função cardíaca. M ÉTODOS: Pacientes chagásicos sem insuficiência cardíaca submetidos a implante de marcapasso definitivo (MP) no Hospital de Clínicas da Universidade Federal do Triângulo Mineiro (UFTM) foram selecionados no período de fevereiro de 2009 a fevereiro de 2010. Os parâmetros analisados foram o remodelamento ventricular, o grau de dessincronia eletromecânica (DEM), tempo de exercício e VO2 máximo no teste ergométrico (TE) e a classe funcional (NYHA). O ecocardiograma foi realizado 24 a 48h após o implante e após um ano de seguimento. Os pacientes foram submetidos ao TE um mês após o procedimento e ao final de um ano. RESULTADOS: Foram incluídos 30 pacientes. A idade média foi de 59±13 anos. A indicação do implante de MP foi bloqueio atrioventricular (BAV) total em 22 (73,3%) pacientes e BAV do 2º grau nos outros 8 (26,7%). Todos os pacientes permaneceram em NYHA I e não houve mudança nos parâmetros do TE. Não foram detectadas variações nas medidas ecocardiográficas de remodelamento. Foi observada DEM intraventricular em 46,6% dos casos e interventricular em 33,3% dos pacientes ao final de um ano. CONCLUSÕES: Os achados deste trabalho sugerem que não houve mudanças morfológicas ou funcionais cardíacas significativas após o implante de marcapasso na posição septal em pacientes chagásicos com função ventricular esquerda normal após um ano de seguimento. Desta forma, os pacientes podem permanecer assintomáticos, com a manutenção da capacidade funcional e sem remodelamento ventricular esquerdo.

Palabras llave : Marcapasso cardíaco; Doença de Chagas; Estimulação septal; Função ventricular esquerda.

        · resumen en Inglés     · texto en Inglés     · pdf en Inglés