SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.45 número3Evolução funcional e morfológica cardíaca um ano após o implante de marcapasso definitivo na posição ventricular direita septal em pacientes chagásicosOcorrência de dolicocólon sem megacólon em chagásicos crônicos índice de autoresíndice de assuntospesquisa de artigos
Home Pagelista alfabética de periódicos  

Serviços Personalizados

Journal

Artigo

Indicadores

Links relacionados

Compartilhar


Revista da Sociedade Brasileira de Medicina Tropical

versão impressa ISSN 0037-8682

Resumo

BRITO, Carlos Ramon do Nascimento et al. Soroepidemiologia da infecção pelo Trypanosoma cruzi na zona rural do semiárido do Estado do Rio Grande do Norte, Brasil. Rev. Soc. Bras. Med. Trop. [online]. 2012, vol.45, n.3, pp.346-352. ISSN 0037-8682.  http://dx.doi.org/10.1590/S0037-86822012000300013.

INTRODUÇÃO: A infecção pelo Trypanosoma cruzi foi avaliada em uma área endêmica do Estado do Rio Grande do Norte, Brasil, por inquérito soroepidemiológico amostral em moradores da zona rural. MÉTODOS: Dezesseis municípios foram sorteados, 15 da mesorregião oeste e um da central, com população estimada em 83.852 indivíduos. Foram coletadas 1.950 amostras de sangue no oeste e 390 em Caicó. A detecção de anticorpos anti-T. cruzi foi realizada usando os kits Chagatest® ELISA, HAI-hemaglutinação e a reação de imunofluorescência indireta. Nos soros com resultados indeterminados foi realizado o western blot TESAcruzi® para confirmação da reatividade. RESULTADOS: A estimativa da soroprevalência revelou 6,5% para a mesorregião oeste e 3,3% em Caicó. A soropositividade eleva-se progressivamente com a idade dos indivíduos até a quinta década de vida em Caicó e na sexta década na mesorregião oeste. Apenas o grau de escolaridade e o conhecimento do triatomíneo evidenciaram associação à soropositividade. Não foram identificados indivíduos sororreativos com idade inferior a 18 anos. CONCLUSÕES: A infecção pelo T. cruzi persiste mais elevada e concentrada em municípios da área central da mesorregião oeste, mas evidências sugerem o declínio da transmissão vetorial nessa mesorregião e em Caicó. As variáveis epidemiológicas parecem não exercer influência na soropositividade, à exceção da escolaridade e conhecimento do triatomíneo entre indivíduos sororreativos da mesorregião oeste.

Palavras-chave : Trypanosoma cruzi; Doença de Chagas; Soroprevalência; Variáveis epidemiológicas.

        · resumo em Inglês     · texto em Inglês     · Inglês ( pdf )

 

Creative Commons License Todo o conteúdo deste periódico, exceto onde está identificado, está licenciado sob uma Licença Creative Commons