SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.45 número4Distribution of QPY and RAH haplotypes of granzyme B gene in distinct Brazilian populationsAntigens of worms and eggs showed a differentiated detection of specific IgG according to the time of Schistosoma mansoni infection in mice índice de autoresíndice de materiabúsqueda de artículos
Home Pagelista alfabética de revistas  

Revista da Sociedade Brasileira de Medicina Tropical

versión impresa ISSN 0037-8682

Resumen

SILVA, Luciana Cristina dos Santos et al. Achados da ultrassonografia e da ressonância magnética na esquistossomose mansônica: sinais da expansão da fossa da vesícula e do hilo gorduroso. Rev. Soc. Bras. Med. Trop. [online]. 2012, vol.45, n.4, pp. 500-504.  Epub 26-Jul-2012. ISSN 0037-8682.  http://dx.doi.org/10.1590/S0037-86822012005000008.

INTRODUÇÃO: Não existem estudos que correlacionam os achados da ressonância magnética (RM) aos da ultrassonografia (US) em pacientes com esquistossomose mansônica. O objetivodeste estudo foi descrever os achados da imagem por RM em pacientes com doença hepática esquistossomótica identificada por US. MÉTODOS: Selecionaram-se 54 pacientes com idade média de 41,6±13,5 anos, provenientes de área endêmica para a esquistossomose mansônica. Todos apresentavam US indicativa de fibrose hepática esquistossomótica, e foram avaliados com imagens por RM, realizadas com uma unidade magnética supercondutora de 1,5-T(Sigma). RESULTADOS: Quarenta e sete (87%) entre 54 pacientes com sinais ultrassonográficosde fibrose periportal esquistossomótica tiveram este diagnóstico confirmado pela RM. Nos sete(13%) casos discordantes, a RM revelou tecido adiposo preenchendo o espaço periportal hilaronde a US indicava espessamento isolado da parede da veia porta em seu ponto de entrada no fígado. Este achado foi nomeado sinal do hilo gorduroso. Um dos 47 pacientes com evidência de fibrose periportal RM era colecistectomizado. Trinta e quatro (76,1%) dos 46 pacientes restantes apresentavam expansão da fossa da vesícula, que se encontrava preenchida portecido adiposo. Nos outros sete, a RM revelou sinais de fibrose pericolecística. CONCLUSÕES: Os espessamentos ecogênicos central da parede da veia porta, e da parede da vesícula biliar, até o momento, atribuídos à fibrose, foram frequentemente identificados como tecido adiposopela RM. Entretanto, o espessamento da parede da vesícula identificado pela US (expansão da fossa da vesícula na RM) é provavelmente secundário a alterações morfológicas hepáticas na esquistossomose, e representa comprometimento grave do fígado.

Palabras llave : Esquistossomoses; Ressonância magnética; Ultrassonografia; Fibrose hepática; Fossa da vesícula.

        · resumen en Inglés     · texto en Inglés     · pdf en Inglés